Notícias

‘Tenho mais de 200 deputados para sustentar’ disse Cunha a delator

 ‘Tenho mais de 200 deputados para sustentar’ disse Cunha a delator

‘Tenho mais de 200 deputados para sustentar’ disse Cunha a delator – Foto: Câmara dos Deputados

Júlio Camargo, um dos delatores da Lava Jato, revelou que foi pressionado e extorquido por Eduardo Cunha com a justificativa de que ele teria de sustentar mais de 200 deputados.

Saiu no Estadão:


‘Tenho mais de 200 deputados para sustentar’, disse Eduardo Cunha, segundo delator

O lobista Júlio Camargo, um dos delatores da Operação Lava Jato, confirmou em depoimento ao Supremo Tribunal Federal que, em 2011, foi pressionado e extorquido pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) – ex-presidente da Câmara – a pagar propina de US$ 5 milhões. “Para justificar a cobrança dos valores, ele (Eduardo Cunha) disse que tinha uma bancada de mais de duzentos deputados para sustentar”, afirmou o delator.

O depoimento de Júlio Camargo ocorreu nesta segunda-feira, 8, na 6.ª Vara Criminal Federal da Justiça Federal em São Paulo.

À sala de audiência estava presente o réu – Eduardo Cunha, denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O procurador-geral da República acusa o parlamentar de receber ao menos US$ 5 milhões de propina referentes a contratação de um estaleiro para a construção de dois navios-sonda pela Diretoria Internacional da Petrobras, em 2006 e 2007.

A presença do ex-presidente da Câmara não intimidou Júlio Camargo. Frente a frente com o acusado, o delator reiterou os detalhes da extorsão que afirma ter sofrido.

No início da audiência, a defesa do peemedebista requereu a suspensão do ato. O juiz Paulo Marcos de Farias, instrutor do Supremo, indeferiu o pedido do ex-presidente da Câmara.

Em seu relato, Júlio Camargo manteve as informações que já havia revelado à força-tarefa da Lava Jato sobre propinas para Eduardo Cunha no âmbito de um contrato para operação de navio-sonda da Petrobras.

Anteriormente, à Justiça Federal ele contou que na época em que estava sofrendo pressão de Cunha chegou a procurar ajuda do então ministro das Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB/MA). Segundo ele, Lobão ligou para o deputado e disse. “Eduardo, você está louco?” O telefonema, segundo o delator, ocorreu no final da tarde de um domingo, em 2011, na Base Aérea do Aeroporto Santos Dumont, no Rio.


3 Comentários

  • Pega parte da grana que esses caras de paus roubaram e constroi um presidio com umas 1000 celas de 2,5x 1,0 metro, vai caber eles todos la dentro e coloca os parentes para pagarem a comida deles. O presidio tem que ser bem longe de tudo e perto de nada. Um navio abandonado a 300 milhas da costa do inferno.

  • Esses 200 , juntamente com o planalto, vão a `as últimas consequências para salvar o mandato de Cunha. E as pessoas estão inertes! Gente, acorda, as Olimpíadas vão passar e o Capo pode escapar!

Deixe um Comentário!