Notícias

Léo Pinheiro entregou Aécio e Serra em delação

Léo Pinheiro entregou Aécio e Serra em delação

Léo Pinheiro entregou Aécio e Serra em delação – Foto: Reprodução

Delação premiada descartada por Rodrigo Janot denunciava propina no governo Serra e comissão a operador de Aécio Neves.

Saiu no JB:


Delação de Léo Pinheiro denuncia propina no governo Serra e comissão a operador de Aécio, diz ‘Veja’

A delação do empresário Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, que foi suspensa pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, traria denúncias contra o senador tucano Aécio Neves, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, também do PSDB, além de citar o ex-presidente Lula e a presidente afastada Dilma Rousseff. A afirmação é da revista Veja, que na edição deste fim de semana estampa na capa “A delação que Janot jogou no lixo”.

Confira o trecho do depoimento de Léo Pinheiro relacionado a Aécio Neves:

“Foi apresentado a Aécio por Sergio Cabral, quando este ainda era governador estadual do Rio de Janeiro, em 2001. Ainda em 2001, esteve com Aécio para contribuir para a campanha de 2002 ao governo do Estado de Minas, na oportunidade em que foi apresentado a Oswaldo Borges da Costa Filho (…). Assim, quando da licitação da Cidade Administrativa de Minas Gerais, editada em 16/7/2007, o declarante determinou que fosse realizado contato com Oswaldo Borges da Costa (…).

Em um dos encontros, foi informado por Sergio Neves, representante da CNO, que havia a necessidade do pagamento de uma vantagem indevida de 3% do valor da participação de cada empresa no consórcio e que as empresas deveriam procurar o Oswaldo Borges para acertar os pagamentos (…) A contraparte da OAS foi paga em espécie (…) Segundo o declarante foi informado, as quantias eram condicionadas ao então governador Aécio Neves.

O declarante ainda tem conhecimento de que Oswaldo Borges da Costa Filho (…) é operador de Aécio Neves e controlador das contas das empresas do político, sendo que as contribuições feitas para as campanhas de Aécio Neves nos anos de 2002 e 2006, bem como na pré-campanha eleitoral de 2014, foram realizadas por intermediação de Oswaldo.”

José Serra

Por sua vez, José Serra foi acusado de se beneficiar de um esquema de cartel e propinas no Rodoanel paulista; “Parte dos pagamentos dos valores indevidos foi feita por meio da empresa Legend Engenheiros Associados, de Adir Assad, na SPE Rodoanel Sul 5, e parte em dinheiro vivo”, teria dito Léo Pinheiro, de acordo com a Veja.

Confira o trecho do depoimento de Léo Pinheiro relacionado a José Serra:

“A OAS foi ganhadora do lote cinco do Rodoanel Sul, que fazia parte de um cartel de empresas (…) A partir de 2004, foram realizadas as reuniões para acertar a licitação na Andrade Gutierrez, pois Dario Leite, executivo da Andrade, era próximo de Dario Lopes Reis, então secretário de Transportes. (…) Na licitação com contrato assinado em 2007 havia um convite de 5% de vantagens indevidas para Dario Lopes Reis e Mario Rodrigues (então diretor de engenharia da Secretaria de Transportes). Tais valores eram ajustados por Dario Leite, executivo da Andrade, e comunicados às demais empresas consorciadas (…) No ano de 2007, por determinação do então governador José Serra, no sentido de que houvesse renegociação em todos os contratos do estado, houve uma negociação no contrato do Rodoanel Sul com desconto no valor do contrato de menos 4% e a globalização do valor do contrato. Em razão dessa renegociação, os valores de vantagens indevidas também foram repactuados para 0,75%. Parte dos pagamentos dos valores indevidos foi feita por meio da empresa Legend Engenheiros Associados, de Adir Assad, na SPE Rodoanel Sul 5, e parte em dinheiro vivo.”

(…)


Deixe um Comentário!