Notícias

O PSDB quer salvar Cunha

O PSDB quer salvar Cunha

O PSDB quer salvar Cunha – Foto: Pedro França/Agência Senado

PSDB não vai pressionar deputados a votarem pela cassação do peemedebista; decisão resulta de encontro com Temer.

Saiu na coluna Poder, da Folha:


PSDB não trabalhará para que seus deputados votem pela cassação de Eduardo Cunha

Ecos do passado

Fiel da balança na Comissão de Constituição e Justiça, o PSDB não trabalhará para que seus deputados votem pela cassação de Eduardo Cunha. Apesar do desgaste que a posição implica, o discurso é que o peemedebista prestou um “serviço relevante para o país” ao dar celeridade ao impeachment de Dilma Rousseff e não merece a condenação institucional da sigla. A percepção dos tucanos é que o Planalto caminha na mesma direção: se quisesse se livrar de Cunha, já o teria feito.

Mera coincidência

Depois da conversa com Michel Temer, a situação de Cunha parece ter melhorado um pouco, mas ainda não a ponto de salvá-lo, dizem palacianos.

Foro íntimo

Governistas não acreditam que algum partido feche questão sobre a cassação. “Isso nunca aconteceu. Dificilmente ocorrerá agora”, prevê um ministro.


[color-box color=”white”]NP

 

 

Se os amigos e amigas não se lembram, o PSDB, DEM e PPS se reuniram na casa do Cunha logo após a oposição ao governo decidir que não mais o apoiaria (por causa da revelação das contas na Suíça); ou seja, continuavam o apoiando nos bastidores para que aceitasse o impeachment de Dilma.

O repórter fotográfico do Estadão, André Dusek flagraria os deputados Rubens Bueno (PPS-PR), Bruno Araújo (PSDB-PE), hoje Ministro das Cidades, Paulinho da Força (SD-SP), Rodrigo Maia (DEM-RJ), Carlos Sampaio (PSDB-SP) e Mendonça Filho (DEM-PE), hoje ministro da Educação saindo sorrateira mente da residência oficial de Cunha horas depois de emitir nota de rompimento.

Aliados saíam sorrateiramente da casa de Cunha

Aliados saíam sorrateiramente da casa de Cunha – Foto: André Dusek/Estadão

Esta é também uma demonstração de que Temer, ao se reunir ontem (30) com Aécio Neves, pediu apoio para que o PSDB não pressionasse os seus deputados a votarem contra Eduardo Cunha, este cadáver insepulto da política que querem manter entre nós por ter prestado um “serviço relevante para o país”: derrubar Dilma com um golpe vagabundíssimo, como diria o Mário Magalhães. [/color-box]

1 Comentário

  • Os barões ladrões das receitas públicas estão na nossa cara e é mais do que visível que eles, mafiosamente, estão reunidos num mesmo clube, o da kleptocracia. Logo, todo nosso esforço tem que se dirigir para a remoção desse obstáculo cancerígeno e institucional: uns poucos se apoderam do Estado e fazem todas as manobras possíveis para o enriquecimento deles (digamos que sejam 1%), em detrimento absoluto dos 99% restantes.

Deixe um Comentário!