Mídia Notícias

Na EBC, proibiu-se o termo ‘presidenta’

Na EBC, proibiu-se o termo ‘presidenta’

Na EBC, proibiu-se o termo ‘presidenta’ – Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Perseguição ideológica agora faz parte do dia a dia da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Além disso, foi proibida a palavra ‘presidenta’.

Do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região:


“Perseguição ideológica” na EBC

Expressão presidenta, empregada quando Dilma assumiu poder com proposta de afirmação feminina, está proibida na empresa pública; políticas emancipadoras não condizem com orientação política e ideológica do governo interino, diz Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação

Em tempos de misoginia e machismo, a EBC (Empresa Brasil de Comunicação), que administra os veículos públicos de comunicação Agência Brasil, TV Brasil, Radioagência Nacional e sete emissoras de rádio, não vai mais utilizar em suas reportagens o termo presidenta para distinguir o gênero do cargo de presidente da República.

Quando foi adotada, a proposta era a afirmação feminina, lembra uma jornalista da EBC. “[A adoção do termo] está respaldada pelo nosso manual de redação, que determina que se deve respeitar a maneira como a pessoa pede para ser chamada. Como a própria presidenta [Dilma Rousseff] pediu para ser chamada dessa forma, em conformidade com o manual  a gente a chamava de presidenta”, explica.

A decisão faz parte de uma tendência autoritária de perseguição ideológica. A opinião é da coordenadora-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), Renata Mielli. Segundo ela, por detrás de uma medida como essa, que pode parecer banal, está a desqualificação da luta da emancipação da mulher na sociedade.

O emprego do termo “presidenta” – autorizado pelos dicionários da língua portuguesa e espanhola – não foi uma invenção de Dilma Rousseff. Michelle Bachelet, em seu primeiro mandato no Chile (2006-2010), e Cristina Kirchner na Argentina (2007-2015), também adotaram categoricamente o substantivo feminino para designar seus cargos. Bachelet, inclusive, antes de reassumir a presidência chilena em 2014, foi a primeira líder da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), e a primeira encarregada de ONU Mulheres, agência das Nações Unidas para a igualdade de gênero.

“Nos governos progressistas dos últimos anos houve um esforço maior na implantação de políticas de empoderamento da mulher”, avalia Renata. “O Estado brasileiro acolheu essa demanda, e com o deslocamento de forças a partir de um golpe, a maneira de se combater isso está sendo feita com medidas autoritárias e machistas, porque essas políticas emancipadoras não condizem com a orientação política e ideológica que nos querem impor.”

“O machismo não é só comportamental, é culturalmente construído, inclusive através do vocabulário”, continua a dirigente do FNDC. “O fato de não se usar o termo feminino de um cargo como o de presidente, não é um problema da gramática, mas porque até pouco tempo era reservado exclusivamente aos homens.”

Guinada

A mudança é a mais recente de uma série já adotada na EBC desde que Michel Temer tomou o poder. Com o afastamento de Dilma, o governo interino nomeou o jornalista Laerte Lima Rimoli para a presidência no lugar de Ricardo Melo, que ocupava o cargo há apenas duas semanas.

Com essa manobra, foi atropelada a Lei 11.652/08, que regula a radiodifusão pública no país: para garantir a autonomia da EBC frente a governos, determina mandato de quatro anos para a presidência da entidade.

Em sua primeira declaração como presidente da EBC, Rimoli disse que os veículos controlados pela empresa farão o básico, “arroz com feijão” no jornalismo, sem servir a propósitos que não sejam de informação. Entre os funcionários, a fala foi interpretada como um sinal de que as pautas sociais, de direitos das mulheres, LGBT, índios, negros serão abandonadas.

Trabalhadores da EBC também denunciam que quadros progressistas estão sendo sistematicamente substituídos de cargos de direção por colegas de perfil mais conservador. A mudança já se reflete na linha editorial: pautas sociais, antes predominantes na empresa de comunicação pública, estão se tornando mais escassas.

Desvios

Segundo reportagem publicada pela CartaCapital, investigações do TCU apontaram desvios de R$ 10,6 milhões quando Rimoli era chefe da assessoria de Comunicação Social do antigo Ministério do Esporte e do Turismo durante o governo FHC. Rimoli foi um dos quatro servidores do ministério condenados a ressarcir os cofres públicos.

Laerte Rimoli foi coordenador de comunicação da campanha de Aécio Neves em 2014 e é ligado a parlamentares tucanos. Antes de ser nomeado presidente da EBC, ocupou o cargo de diretor executivo da Secretaria de Comunicação Social da Câmara dos Deputados, nomeado pelo ex-presidente da casa Eduardo Cunha. Durante esse período, a comunicação da Câmara foi acusada de aparelhamento em favor de Cunha e seus aliados e de agir como propagandista de uma corrente político-ideológica conservadora.


4 Comentários

  • Acho no mínimo incoerente essa atitude da nossa presidente afastada Dilma, assim como das outras que procederam da mesma forma e como tem sido estimulado pelos grupos de esquerda. Se a intenção do feminismo é igualar a importância, o reconhecimento e valorização da mulher ao homem, por que atribuir gênero mudando palavras que já são usadas pelos dois da mesma maneira? Ou já foi eleito algum “presidento” e não fiquei sabendo?

Deixe um Comentário!