Notícias

Processo contra Cunha pode voltar à estaca zero

Processo contra Cunha pode voltar à estaca zero

Processo contra Cunha pode voltar à estaca zero – Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O processo de cassação de Eduardo Cunha na Câmara dos Deputados pode voltar à estaca zero; na pior das hipóteses ele vai se arrastar por muito tempo.

O Brasil virou o país do achincalhe. A ordem democrática foi alterada, mas não somente ela; também alteraram a ordem dos valores: aqui, uma câmara de deputados corruptos deu prosseguimento ao processo de impeachment de uma presidenta que não cometeu crime de responsabilidade.

E o processo de cassação de Eduardo Cunha se arrasta há mais de cinco meses. Como pode o Brasil será levado a sério pelo mundo?

Saiu na Folha de S.Paulo:


Recursos podem levar processo de cassação contra Cunha à estaca zero

Marcado por reviravoltas e atrasos, o processo de cassação contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na Câmara chegou ao seu prazo limite na última sexta-feira (22) sem ter atingido nem a metade da fase de instrução e sob ameaça de voltar à estaca zero.

O presidente da Casa é acusado de ter mentido em depoimento à CPI da Petrobras em março de 2015, negou ter contas no exterior.

Protocolada em 13 de outubro e efetivamente instaurada em 3 de novembro, a investigação deveria ter um desfecho – a absolvição ou a cassação do mandato – em até 90 dias úteis, segundo o Código de Ética da Casa.

Embora esse prazo tenha vencido na sexta, o efeito prático do estouro do tempo é, nessa fase, apenas evitar que o Conselho de Ética da Câmara analise outros casos antes de encerrar o de Cunha.

Na prática, não há prazo para que o colegiado conclua o trabalho, cujo roteiro tem sido por decisões do vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), aliado de Cunha.

Além disso, nesta última semana de abril deve começar a funcionar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a principal da Casa, que irá analisar recursos do presidente da Câmara e de aliados que pedem a anulação de todo o trabalho feito até agora pelo Conselho de Ética.

Com influência sobre um grupo expressivo de deputados de diversos partidos e fortalecido após comandar o processo de impeachment, Cunha também deverá ter ascendência sobre a comissão, cujo presidente deve ser um colega de partido.

Desponta como favorito o advogado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG). Candidato do líder da bancada, Leonardo Picciani (RJ), ele não era apoiado por Cunha, que trabalhava por Osmar Serraglio (PR), do grupo favorável ao impeachment de Dilma.

Após a votação do afastamento de Dilma, porém, os peemedebistas trabalham por uma recomposição, facilitada pelo fato de Pacheco ter votado a favor do impeachment. O advogado, entretanto, foi conselheiro federal da Ordem dos Advogados do Brasil, instituição que vive em pé de guerra com o presidente da Câmara.

(…)


Deixe um Comentário!