Notícias

Do telefonema do Bonner para o Gilmar

Do telefonema do Bonner para o Gilmar

Do telefonema do Bonner para o Gilmar – Foto: Divulgação/TV Globo

A citação de Clóvis de Barros Filho é a prova da promiscuidade das relações entre o jornalismo da grande mídia e o judiciário, pelo telefonema do Bonner para o Gilmar.

O livro ‘Devaneios sobre a atualidade do Capital‘ é uma compilação de uma série de conferências do professor Clóvis de Barros Filho. Nele há uma citação muito importante e que deflagra a promiscuidade de um ministro da Suprema Corte com um jornalista da maior emissora de TV do país.

Num país onde um ministro do STF milita e oferece um serviço de news delivery a uma empresa de comunicação do tamanho da Globo, o que mais se pode esperar?

O Bonner pede notícias pelo celular e o Gilmar atesta que se não houvesse fato, ele o criaria, segundo afirmações do autor de ‘Devaneios sobre a atualidade do Capital’. Leia abaixo o trecho do livro em que se identifica o diálogo entre William Bonner e Gilmar Mendes:

(…)

Vou dar um exemplo que me chocou: fui a uma reunião de pauta do Jornal Nacional, e o William Bonner liga para o Gilmar Mendes, no celular, e pergunta: “Vai decidir alguma coisa de importante hoje? Mando ou não mando o repórter?”. “Depende, se você mandar o repórter, eu decido alguma coisa importante.” Acha que eu enlouqueci? E o que eu estava fazendo lá? É que os professores da USP foram convidados para fazer uma reunião de pauta. Um erro estratégico espetacular. E nós ali, ouvindo. Deixa ver se eu entendi bem: o cara vai soltar o discurso somente se tiver alguém ao vivo para filmá-lo. E então você percebe que a mídia não é uma constatação do real, mas fabrica o real em função dos seus critérios. Então, você tem uma aliança homológica que se converte em capital relacional, amizade de celular. Ou seja, o dominante do campo jurídico se alia ao dominante do campo jornalístico.

(…)

bonner-gilmar

Em tempo: De fato, como disse Clóvis de Barros Filho, “você percebe que a mídia não é uma constatação do real, mas fabrica o real em função dos seus critérios”.

1 Comentário

  • A moral destes dois estrumes está mais baixa, que cú de cobra,um é (BANDIDO DE TOGA), o outro (UM CAPACHO), da famiglia MARINHO, (OS GOLPISTAS DO BRASIL). e o mais gozado nisso tudo, é que ainda tem palhaços, que perdem tempo assistindo a GLOBOSTA.A bosta que meu cachorro caga vale muito mais , que estes dois abjetos.

Deixe um Comentário!