Notícias

O ódio a Lula é figadal e patológico

O ódio a Lula é figadal e patológico

O ódio a Lula é figadal e patológico – Foto: Lula Marques/Agência PT

O site Nossa Política não precisa de visualizações e audiência baseada em ódio. Aqui, o que interessa é o debate puro e não uma patologia figadal disfarçada de comentário corriqueiro.

O Mídia Ninja e o site Jornalistas Livres flagraram o momento exato em que um dirigente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), identificado como sendo o bancário Nelson Canesin, foi ferido durante as manifestações pró e contra o ex-presidente Lula, nesta quarta-feira (17).

Ainda ontem o site Nossa Política reproduziu em sua página no Facebook o vídeo da passagem da vítima para o interior do Fórum da Barra Funda, onde recebeu atendimento. O que nos espantou foram os comentários de direitistas sobre o ocorrido.

Foge à compreensão ver que um ser humano é incapaz de tolerar a ideologia do outro e, portanto, capaz de torcer para que ele ‘verta sangue até a morte’, ou ‘apanhe mais’, ou ainda ‘sirva à sede feroz da polícia’, no caso, a PM paulista.

Uma infestação de comentários das mais atrozes manifestações de repulsa que um ser humano pode ter levou o vídeo a milhares de visualizações e compartilhamentos em poucos minutos. E sempre com amargor, frases as mais terríveis, muito longe da alçada do diálogo e do debate político.

Não nos restou alternativa além de apagar a mídia e com ela todos aqueles comentários que não nos dizem respeito. Mesmo contrárias e divergentes do nosso ponto de vista, as opiniões aqui precisam respeitar os direitos humanos e a dignidade da pessoa humana.

Não à-toa desaprovamos comentários – qualquer que seja a ideologia – se estes não respeitam o ser humano. Não é assim que serão resolvidos os problemas da política.

O que vimos nos comentários foi ojeriza, ódio, repulsa e intolerância a um homem que – certo ou errado – segue a sua ideologia. E este recado não se aplica apenas aos direitistas. Na esquerda tem gente que opta pelo mesmo caminho de aversão.

Se a coisa sair do campo político e adentrar no conflito puro e simples de causas que não dialogam entre si, o futuro vai ser de sangue na calçada, como bem diz o jornalista Mino Carta.

O que as pessoas publicam nas redes, sem o menor pudor, é de envergonhar qualquer um que coloque a consciência em primeiro lugar. Pode-se atestar com isso a fúria das manifestações pelo impeachment e o descontrole daquela massa sem freio.

E uma patologia figadal de dar pena.

1 Comentário

Deixe um Comentário!