Blog do Mailson Ramos

De que cor são as vestes da moral?

De que cor são as vestDe que cor são as vestes da moral?es da moral?

De que cor são as vestes da moral? – Foto: Reprodução

A vida íntima de FHC não nos interessa. As manobras sim. E de que cor são as vestes da moral? Será que ela serve de disfarce, em suas cores diáfanas, para esconder a sujidade humana?

Nem as escadarias da Igreja do Bonfim após a lavagem parecem estar tão limpas quanto a consciência de FHC e dos moralistas sem moral. Porque deles emana a sensação de que, se a moral utiliza vestes, elas são brancas e intangíveis como as suas dissimuladas consciências.

Nada que a mídia não consiga alvejar ainda mais com artigos edificantes dos colunistas apaixonados por um príncipe que virou sapo. E no desvão da paixão desenfreada, Noblat e Cantanhêde se extremam em defesa unilateral da moral sem vestes do FHC.

O ex-presidente deixou cair as vestes esbranquiçadas numa lama fétida e putrefata. E isso causa repercussão justamente porque aqueles que não têm moral costumam imputá-la aos outros.

Há alguns meses, nas palavras de FHC a renúncia da presidenta Dilma seria um gesto de grandeza. Hoje os questionamentos o pressionam a ter um gesto de grandeza e explicar as manobras feitas para, por exemplo, enviar dinheiro para a ex-amante no exterior.

E o tecido sujo que se arrastou sobre a pele de FHC acabou respingando no José Serra e sua mais ausente funcionária, também conhecida como Margrit Dutra e irmã da Mirian. Esta ilibadíssima funcionária pública ia ao Senado uma vez por mês bater o ponto e depois se ausentava, segundo o Serra, para “trabalhar num projeto sigiloso”.

Nem mesmo ao jornal O Globo o senador soube explicar qual era a frequência da Margrit, se ela trabalhava em seu gabinete ou não; o que nos mostra a imundície causada pela meritocracia. Não sabendo sobre a sua capacidade laboral, podemos dizer que ela é boa em protestar contra a corrupção. Uma piada pronta!

Leia também: Margrit, a funcionária fantasma, é contra a corrupção

Num país em que o judiciário travou perseguição contra um ex-presidente por um sítio que não é dele – espetacularizando compra de barco de lata, pedalinho no lago e horta – outro ex-presidente é defendido com unhas e dentes em artigos de extremada argumentação.

Vivemos no país da dissimulação onde a verdade tem apenas uma face? O que espera a Polícia Federal para investigar o assunto? Devemos priorizar assuntos na agenda, como disse a Cantanhêde, para não deixar cair a perseguição ao Lula e sua família? Ou devemos colocar a culpa na Mirian e isentar este homem digníssimo com ares de garanhão de sangue azul?

Há de se ganhar muito descobrindo o que está por trás das vestes da moral, ainda que não se saibam as cores que ela veste.

No fim, não importa muito a cor das vestes da moral, porque FHC sequer as usou ou as usou para difamar seus adversários e posar de Príncipe dos Sociólogos. Principesco sim porque o status lhe concede a posição, mas sem um pingo de moral.

Deixe um Comentário!