Blog do Mailson Ramos

‘Que Horas Ela Volta’: um debate que o Brasil precisa travar

‘Que Horas Ela Volta’: um debate que o Brasil precisa travar

‘Que Horas Ela Volta’: um debate que o Brasil precisa travar – Foto: Aline Arruda

Em tempos de conflitos de classe, o filme mostra com clareza este distinção entre as pessoas, o que nos leva a um debate extremamente profícuo.

Somente hoje assisti ao filme ‘Que Horas Ela Volta’. É a visão mais pura da Casa Grande & Senzala, o reflexo apurado dos abismos sociais que distinguem ricos de pobres, patrões de empregados, filhos abastados de filhos necessitados.

Deixa ver com ampla clareza que estes espaços, ainda que abissais, tem sido reduzidos.

A filha da doméstica tem a capacidade de passar no vestibular, enquanto o rapaz de boa família não consegue. E, por isso, o espaço da moça é restringido porque ela ocupa, inexoravelmente, uma posição de destaque.

É um rato na piscina.

Mas é muito mais a ideia de que “tua piscina está cheia de ratos, tuas ideias não correspondem aos fatos”.

A senzala deve pertencer ao seu espaço, e, desde que não protagonize, permanecerá intocada, em seu espaço devotado à marginalização.

O filme não é um caso de amor entre patrões e empregados, como li em algumas análises burlescas, mas sim um debate – o mais lúcido do cinema brasileiro desde ‘Central do Brasil’ – sobre um conflito social marcado não apenas pelas distâncias regionais e culturais do país, mas pela distância entre as classes.

O filme coloca em evidência uma discussão muito plausível sobre o estabelecimento das identidades sociais sob a égide do ter/poder.

Neste momento em que as ruas têm sido ocupadas por pessoas que disseminam o mais puro ódio de classe, o filme se torna uma boa opção para pensar nas mazelas recentes de nossa sociedade.

Leia também: Casa Grande & Senzala, a mídia e Mino Carta

É preciso discutir porque a Senzala começa a se aproximar da Casa Grande.

E isso integra um novo modus vivendi das estruturas sociais até aqui menos favorecidas. É um jogo que começa a virar. Por isso – e pelo momento político – ‘Que Horas Ela Volta’ é um filme marcante.

Deixe um Comentário!