Notícias

Lobista faz Moro de palhaço. A verdade é uma incógnita

Lobista faz Moro de palhaço. A verdade é uma incógnita

Lobista faz Moro de palhaço. A verdade é uma incógnita – Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Independente da discussão se o lobista Fernando Moura mentiu antes ou mentiu agora, o fato é que o sistema de delações premiadas às vezes coloca o Moro no picadeiro.

A maioria dos delatores já se utilizou deste estratagema: fazer o Moro de palhaço e certificar que as informações prestadas anteriormente não foram “bem assim”.

A verdade na Lava Jato é uma incógnita.

Nunca houve garantias de que os delatores prestaram depoimentos verídicos, mesmo que eles corroborassem com as investigações; erra-se em datas, desfazem a qualquer momento o que disseram anteriormente.

E o Moro firme em sua empreitada contra a corrupção.

Fazendo dessas delações que mudam ao sabor do vento a sua principal base para condenar e, raríssimas vezes, inocentar algum envolvido na Lava Jato, Moro foi feito de palhaço por um delator chicaneiro.

Sabe-se lá quantas vezes isso se repetiu.

Na Folha:


Lobista muda versão apresentada em delação e favorece José Dirceu

Em troca de um acordo que o tirou da prisão, o lobista Fernando Moura ofereceu ao Ministério Público Federal um conjunto de revelações de como o ex-ministro José Dirceu aparelhou a diretoria de Serviços da Petrobras para alimentar o caixa dois do PT.

Mas, diante do juiz Sergio Moro, na última sexta (22), Moura não apenas não entregou nada do prometido como isentou Dirceu e empresários beneficiados pela indicação de Renato Duque para o cargo na Petrobras.

Em depoimento de quase duas horas em Curitiba, Fernando Moura gaguejou, gargalhou e pareceu demonstrar espanto quando confrontado com as próprias declarações.

Na sua estreia como delator, em 28 de agosto, Moura atribuiu a Dirceu a “dica” para que ficasse longe do Brasil durante o mensalão. “Depois que assinei [o termo do depoimento] que fui ver [o que estava escrito], diz que o Zé Dirceu me orientou a isso. Não foi esse o caso”, recuou.

(…)


Deixe um Comentário!