Notícias

PHA: o impeachment acabou. E o Levy? E o Zé?

PHA: o impeachment acabou. E o Levy? E o Zé?

PHA: o impeachment acabou. E o Levy? E o Zé? – Foto: Renato Araújo/ABr

Que tal governar para quem a elegeu, Dilma? Que tal rechaçar de vez o Levy da Fazenda e o Zé da Justiça? Seria bom agora porque o impeachment acabou.

Paulo Henrique Amorim, no Conversa Afiada, dá o tom das mudanças:

Acabou o impítim. E o Levy fica?

O impítim acabou nesse domingo como escola de samba ao deixar o Sambódromo: um lixo.

A fantasia desmontada,  a maquiagem escorrendo pelo rosto suado, o puxador sem voz e a destaque com mais celulite que batom – como o Aecím Waldorf, ao lado do Luciano Hulk, ao saber que tinha perdido a eleição.

Melancólico.

Na verdade, o impítim sem povo e sem líder acabou na histórica decisão do Ministro Fachin.

Mais tarde, Janot seguiu o caminho inevitável, enquanto se desviava dos incômodos cadáveres do Cunha e do Aecím Waldorf.

Essa segunda vitória de Dilma na eleição de 2014 poderia ter um efeito catártico.

Uma ressurreição.

Seria esperar muito de um Governo que tem na Justiça uma balofa mediocridade.

Leia mais: 2015: o Brasil da desinformação

Mas, se fosse possível imaginar uma reinvenção depois dessa inequívoca vitória sobre a Direita Enlouquecida, o melhor seria fazer a vontade do Levy e demiti-lo.

O Levy está louco para ser imolado na fogueira das agências de risco.

Poder dizer “eu não passei de um Ministro da Fazenda decorativo”.

Ele seria um herói do PiG.

Figura obrigatória do programa Entre Caspas da GloboNews!

Fonte anônima das colonas – são sempre as mesmas – da Urubóloga.

Vai acabar como gestor de recursos do HSBC na Suíça.

E a Dilma levaria para lá um Ministro da Fazenda que atenda a quem a elegeu em 2014.

Não precisava ser um economista.

Pode ser um político.

Ruy Barbosa, Getúlio Vargas e Oswaldo Aranha não eram economistas.

Palocci, o neolibelês do PT, era médico sanitarista e hoje, consultor de empresas de pleitos suspeitos.

Desde que o eleitor, que deu a vitória de 2014, pudesse, enfim, celebrar em 2015!

Governar para quem elegeu a Dilma.

E não para quem ela derrotou – ou a traiu, como o Temer e seu programa “Ponte para o abismo”.

Reencontrar-se com o eleitor vitorioso seria fenômeno político de promissor significado.

Como também é e será um fenômeno a sobrevivência do Ministro da Justiça.

Deixe um Comentário!