Notícias

Moro, sem querer, ajuda na “destucanização” do PT

Moro, sem querer, ajuda na “destucanização” do PT

Moro, sem querer, ajuda na “destucanização” do PT – Foto: Geraldo Magela /Agência Senado

 

Para Fernando Brito, no Tijolaço, o Dr. Moro ajudou a tirar um pouco da “tucanidade” entranhada no PT após a prisão de Delcídio Amaral.

Duas coisas parecem evidentes, com o recrudescimento das prisões da Operação Lava-Jato.

A primeira, é que – como se disse ontem – foi necessário dar manivela ao fole de uma investigação que, agora, deveria estar concentrada em tudo o que se apurou e nas responsabilidades de quem esteve envolvido.

A segunda é que o “inchaço” do PT, provocado pela chegada ao poder de Lula – como toda enchente, aliás – trouxe para ele uma maré de detritos neoliberais como os cidadãos presos hoje.

Para não parecer escrito sob encomenda depois dos fatos, traço a imagem de Delcídio Amaral – inimigo da Petrobras desde sempre, quando se filiou ao PSDB para ocupar um cargo de direção na empresa – e ajudado por escritos alheios, já de algum tempo.

“(…) Uma coisa o Delcídio tem de entender: O PT deu tudo o que ele tem na política, que é o mandato de senador”, comentou o deputado federal Vander Loubet. O PT foi buscá-lo para os seus quadros depois de ele encontrar as portas fechadas no PFL, no PMDB e PSDB. E quando tentou sair do PT para concorrer ao Governo do Estado nas eleições de 2006 pelo PSDB, Delcídio foi vetado pela senadora Marisa Serrano, a maior estrela do partido em Mato Grosso do Sul. Rejeitado pelos grandes partidos, o único que escancarou as portas para a sua entrada foi o PT. Delcídio, na época imaginava estar filiado ao PSDB e depois descobriu que a sua ficha não tinha sido encaminhada à Justiça Eleitoral.

Na dura disputa eleitoral com grandes lideranças políticas do Estado, Delcídio saiu da lanterninha com apoio da militância do PT e de amigos para conquistar o Senado, derrotando surpreendentemente o mito da política estadual, ex-governador Pedro Pedrossian. “Hoje, Delcídio despreza a militância e jogou todos os amigos para fora”, comentou um petista, que preferiu o anonimato para não atrapalhar o esforço de mais uma tentativa de reaproximação do senador com o ex-governador José Orcírio dos Santos. (Correio do Estado, MS, 25/1/2011)

Leia também: PHA: repatriação de ativos é maracutaia ou levyandade

Sobre André Esteves, não é preciso ir tão longe. A coluna de Monica Bergamo de 2 de abril de 2014 mostra a quem ele apoiava e promovia: Aécio Neves.

A história rocambolesca de negociação de dinheiro e fuga que teriam mantido com o ex-diretor Nestor Cerveró mostra o espetáculo de intrigas, chantagens e baixeza em que acusados e acusadores estão metidos na Lava Jato.

Delcídio, sobretudo, foi uma figura que o PT absorveu e integrou e, agora, paga por ele.

É um dos preços da política, o que vem com a maré montante e o que se vai com a vazante. Neste caso, diretamente pelo ralo.

O Dr. Sérgio Moro, sem querer, vai ajudando a tirar do PT a “tucanidade” que se entranhou nele.

Deixe um Comentário!