Notícias

Paulinho não abdica de Cunha. Um pior que o outro

Paulinho não abdica de Cunha. Um pior que o outro

Paulinho não abdica de Cunha. Um pior que o outro – Crédito: Reprodução

 

Kiko Nogueira, no DCM, aponta para a desfaçatez de Paulinho da Força. Para não dizer outra coisa. É que o moralista sem moral continuará ao lado do achacador-mor.

Carlos Sampaio, Aécio Neves, Hélio Bicudo, kataguiris, revoltados on line e off line — todos eles poderiam se resumir, nesse momento, numa massa amorfa com a efígie de Paulinho da Força.

Com os quilos de batom na cueca de Cunha, passaportes e assinaturas em contas na Suíça, o diabo, Paulinho saiu-se com um pragmatismo enviesado: “O nosso negócio é derrubar a Dilma. Nada nos tira desse rumo”. Nem o Brasil.

E a declaração de princípios: “Estou com ele para o que der em vier.” Bicudo, de seu lado, ao protocolar novamente seu clássico pedido de impeachment, veio com a conversa mole de que quem estava enlameado era a pessoa física de Cunha, não o presidente da Câmara. Por enquanto, até prova em contrário, os dois são o mesmo cidadão.

Paulinho é o retrato de uma oposição sem rumo, histérica, hipócrita, golpista, sem projeto, corrupta, interessada sobretudo em ganhar no grito e apostando na instabilidade.

Os “moralistas sem moral” — um belo achado — estão com um mico na mão, depois de bancar por muito mais tempo do que o recomendável o Cunha. O “rumo” agora é, junto com movimentos de extrema direita, clamar por uma “volta às ruas” de idiotas úteis. Que ruas?

O indignado Paulinho, como era de se esperar, é reu no STF, acusado de beneficiário de um esquema no BNDES. A Procuradoria Geral da República pediu sua condenação por crimes contra o sistema financeiro, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Como no caso de Cunha, sua mulher também está envolvida, sob a acusação de ter usado a conta corrente de uma ONG presidida por ela para coletar recursos.

Há alguns meses, Eduardo Cunha foi recebido na Força Sindical, a central sindical de que Paulinho é dono, aos gritos de “guerreiro do povo brasileiro” (o bordão mais imbecil de todos os tempos, concorrendo com o hino “sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor”).

Os paulinhos estão nus, com o nariz enfiado no saco de um malandro evangélico milionário. O da Força deve achar que uma frase de efeito como “estou com ele para o que der e vier” pega bem. Ele é Butch Cassidy, Cunha é Sundance Kid, brigando contra tudo e contra todos.

Até essa, digamos, amizade, porém, é uma farsa. Como seus amigos do PSDB, assim que Cunha cair, antes ainda de colocar as algemas, ele será o primeiro a alegar que também foi enganado. Quer apostar quanto?

base-banner22

Deixe um Comentário!