Notícias

Nardes não será afastado do julgamento das contas de Dilma

Nardes não será afastado do julgamento das contas de Dilma

Nardes não será afastado do julgamento das contas de Dilma – Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

Ministros não afastarão Nardes que pressionará seus pares a seguirem a arguição que antecipou em entrevista à imprensa pela reprovação das contas do governo.

Diz a Lei Complementar nº 35, de 14 de março de 1979 que dispõe sobre a Lei Orgânica da Magistratura Nacional, Artigo 36, parágrafo 3º, que é vedado ao magistrado manifestar, por qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento, seu ou de outrem, ou juízo depreciativo sobre despachos, votos ou sentenças, de órgãos judiciais, ressalvada a crítica nos autos e em obras técnicas ou no exercício do magistério. Todo mundo está careca de saber que o ministro Augusto Nardes deu voz aos golpistas e antecipou seu voto. No Estadão, a matéria representou muito mais do que uma entrevista. Nardes soltou o verbo e instou os outros ministros a também rejeitarem as contas do governo Dilma, no ano de 2014.

Na matéria de Fábio Fabrini e João Villaverde se lê: Em comunicado enviado aos demais ministros, Nardes explicou que cabe a reprovação das contas “devido à relevância dos efeitos das irregularidades relacionadas à execução dos orçamentos, não elididas pelas contrarrazões” apresentadas por Dilma. As contas, segundo ele argumentou, “não estão em condições de serem aprovadas, recomendando-se sua rejeição pelo Congresso Nacional”. Não há dúvidas de que o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, tem razão de pedir o afastamento de Nardes. Ele viciou a votação que acontecerá amanhã. E deve acontecer, de fato.

Amanhã, favas contadas. Aroldo Cedraz não afastará Nardes, que exercerá o “direito do voto” e pressionará os pares a seguir o rumo de sua decisão. Os planos do golpe já foram traçados e os atores envolvidos nesta chicana não voltarão atrás. Tudo se encaminhará para o Congresso, não sem antes existir o estardalhaço da mídia, o espetáculo das notícias infames, as manchetes antecipadas. Não há outra perspectiva para a oposição senão acreditar que esta é a sua única chance de demover a presidenta da República legitimamente eleita com 54 milhões de votos. E dizendo que “não vai se acovardar”, Nardes mostra que não está para brincadeira. O advogado-geral da União, Luís Adams, nesta tarde, entrou com um pedido de adiamento da votação no STF. Provavelmente também não logrará intento.

Amanhã tudo será decidido.

base-banner22

Deixe um Comentário!