Notícias

O fim da aventura golpista de Hélio Bicudo

O fim da aventura golpista de Hélio Bicudo

O fim da aventura golpista de Hélio Bicudo – Crédito: Reprodução

 

Hélio Bicudo chegou ao crepúsculo de sua aventura golpista por uma razão muito simples: seu pedido de impeachment não se baseava em provas. De Paulo Nogueira, no DCM.

Sabe a música que encerra Breaking Bad?

Walt está morrendo depois de ter feito o diabo como traficante de metanfetamina.

E vem a velha canção do Badfinger para selar uma série extraordinária.

Guess I got what I deserved.

Acho que tive o que mereci.

Bem, essa música serve agora para o encerramento da aventura golpista de Hélio Bicudo.

Um parecer da equipe técnica da Câmara dos Deputados recomendou o arquivamento do pedido de impeachment de Bicudo por um detalhe: falta de provas.

Apenas isso. Falta de provas.

Entre as distorções da Justiça brasileira, está uma que é uma praga. Muitos juízes tomam como evidências notícias veiculadas em jornais e revistas sabidamente tendenciosos e manipuladores.

A ministra do TSE Luciana Lóssio foi extremamente feliz ao apontar isso na sessão que debateu ontem a abertura de impugnação do mandato de Dilma pelas contas da campanha.

Ela foi batida no julgamento, mas ao votar contra o pedido de impugnação disse a frase definitiva: “Notícia não é prova”.

Nunca é, e ainda menos num país cujas grandes corporações de mídia estão frontalmente empenhadas numa campanha para derrubar um governo que teve 54 milhões de votos.

(A ação contra Dilma no TCU – que vai provocar mais borbulha que qualquer outra coisa — pode ser entregue a Gilmar Mendes como relator. Será uma magnífica oportunidade para que os advogados do governo exponham o partidarismo doentio de Gilmar nos moldes do que foi feito com Nardes.)

O pedido de Bicudo padeceu do mesmo mal apontado por Lóssio ontem: muito blablablá tomado da mídia e zero de provas.

Eduardo Cunha será forçado a seguir a recomendação dos técnicos da Câmara e colocar no lixo o pedido de Bicudo – um golpe terrível nas pretensões dos golpistas.

Bicudo, assim, será devolvido à obscuridade da qual saiu espetacularmente ao defender a saída de Dilma.

Aos 93 anos, ainda lúcido segundo todos os relatos, ele agiu como uma caricatura do imperador César: chegou, viu – só que perdeu.

Dividiu não apenas os brasileiros, mas até sua família: seu filho José Eduardo manifestou publicamente repulsa pela atitude do pai.

Emergiu um perfil de Bicudo desconhecido: um sujeito vingativo, mesquinho, rancoroso, incapaz de superar o fato de não ter sido indicado ministro da Justiça por Lula.

Um ser humano desprezível, em suma.

Sua biografia ficará marcada por este lastimável episódio – muito mais do que o que quer que tenha feito no passado.

base-banner22

Deixe um Comentário!