Notícias

Os voos de Aécio: o preconceito está no ar

Os voos de Aécio: o preconceito está no ar

Os voos de Aécio: o preconceito está no ar – Crédito: Reprodução/Duke

No Brasil de Fato, João Paulo Cunha retrata o preconceito ainda existente com a popularização dos aviões, viagens e aeroportos. E toma como pano de fundo os 124 passeios de Aécio ao Rio de Janeiro.

A recente divulgação de que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) viajou 124 vezes ao Rio de Janeiro durante seus dois mandatos de governador de Minas Gerais, preferencialmente nos fins de semana, não deveria causar estranheza. Afinal, ele sempre foi personagem habitual de colunas sociais e policiais (quando se recusou ao exame do bafômetro ao ser parado numa blitz) cariocas. Ir muito ao Rio de Janeiro pode ser sinal de bom gosto – o que é problema do ex-governador –, mas também de usurpação de recursos públicos – o que diz respeito a todos que pagam a conta.

Como nos ensina Guimarães Rosa em outro registro, o importante não é o destino, mas a travessia. No caso de Aécio, há menos metafísica e mais esperteza. Ele chegava ao Rio e outras praias cotadas a bordo do jato do Governo de Minas. Mesmo que a legislação tenha brechas (como um evocativo “questões de segurança”), não há nada que explique eticamente o uso particular de um avião público, de forma tão repetida e sistemática, para mero exercício das tribulações do lazer. O valor gasto não foi ainda apresentado, mas dá para estimar, levando-se em consideração o alto custo de utilização, manutenção e operação de aeronaves no país. Resumo da ópera: benefícios privados, gastos públicos. Patrimonialismo puro e simples.

O mais curioso do caso, noticiado em primeira mão pela Folha de S. Paulo e depois repercutido em toda a imprensa nacional – com exceção de alguns jornais mineiros que se esforçaram para anistiar no dia seguinte o malfeito que não noticiaram na véspera –, foi o simbolismo renitente do transporte aéreo no país. Nos últimos tempos, avião e aeroporto deixaram de ser meios de transporte e espaços de pouso e decolagem para ganhar uma dimensão mitológica. Eles são mais que aparentam, carregam um discurso em sua aparente materialidade. Não são feitos só de aço e concreto, mas de linguagem. A âncora da distinção social brasileira já teve como instrumentos a roupa, o carro, a vaga na universidade, a Disneylândia e outras baranguices. Hoje, voa pelos ares e taxia entre fingers.

Quem não se lembra do icônico “os aeroportos estão parecendo rodoviárias”? Ou da construção do aeródromo que dá acesso à Versalhes mineira da família Neves, em Cláudio, interior de Minas, erigido na fazenda de um tio do senador que mantinha a chave na algibeira? Ou das centenas de quilos de pasta de cocaína pura transportada em helicóptero pertencente à família Perrela, que não teve sua origem investigada como se faz no caso da posse de um baseado no bolso de um jovem negro de periferia? Em mais uma parceria público privada, o piloto do helicóptero era funcionário do gabinete do deputado Gustavo Perrella (Solidariedade-MG), filho do senador Zezé Perrella (PDT-MG). Para não falar do ataque recente de uma horda fascista a João Pedro Stédile, no aeroporto de Fortaleza, como se o dirigente do MST tivesse invadido um minifúndio de exclusão garantida pelo direito consuetudinário de classe.

Em todos esses casos, o que parece se afirmar é uma nova fronteira social. A elite ou burguesia (o nome tanto faz, o que interessa é o comportamento) levou ao pé da letra a ideia de escala social. Incapaz de metaforizar, entendeu que subir no gradiente de classes se traduz em alcançar os céus. Quanto mais alto, melhor. Por isso a defesa tão iracunda dos aeroportos e aeronaves. Não basta ter, é preciso que o outro não tenha. Não se trata de medo ou inveja, mas de ressentimento.

Se, até então, no barro do chão, era preciso demarcar limites com seguranças quase caricaturais em seus trajes MIBs, áreas vips controladas por trancelins e elevadores privativos, nas alturas era possível relaxar. Os pobres estavam longe e, significativamente, abaixo. Hoje, o preconceito está no ar. É claro que, no caso de Aécio, não se trata apenas de voar – ele tem dinheiro suficiente para comprar quantas passagens quiser – seu problema maior é ter de compartilhar suas viagens com pessoas comuns, enfrentar filas e seguir horários. Não é uma distinção pelo meio de transporte, mas pela exclusividade da solidão e pela realização patrocinada das artimanhas do desejo.

Ser melhor é ser sozinho na triste composição moral de uma fatia da sociedade integrada por gente que não gosta de gente. Se este era o intento caprichoso ou a vocação moral do ex-governador, que pelo menos pagasse a conta.

base-banner22

1 Comentário

  • talvez quem sabe que nestas viagens, de minas pro rio, por estar isento de fiscalização por aeronave, um tarnsporte oficial, que só dentro das regras administrativas, pudesse ser utilizada, e o Sr Aécio, por ser o chefe do executivo mineiro, em tese, acima de qualquer suspeita, já naquelas epocas estivesse buscando ou levando a sua inseparável farinha alucinógina, vai saber.

Deixe um Comentário!