Notícias

Gilmar Mendes enrola durante 3h para adiar votação no STF

Gilmar Mendes enrola durante 3h para adiar votação no STF

Gilmar Mendes enrola durante 3h para adiar votação no STF – Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 

Gilmar Mendes passou um ano e meio sentado sobre a ADI da OAB que proíbe doação de empresas a campanhas eleitorais. Agora, diante da inevitável votação, entre seus pares, Mendes passou mais de três horas tecendo considerações sobre o seu voto. Disse que o veto às doações é golpe petista. E serviu aos seus interesses. Amanhã, na continuação da votação, vamos ver quem vence esta queda de braços: a doação (mãe da corrupção) e Gilmar Mendes ou o veto.

As informações a seguir são do site Brasil 247.

Apesar de saber que seu voto não determinaria o resultado do julgamento sobre doações empresariais de campanha eleitorais, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes votou nesta quarta-feira 16 por mais de três horas e acabou por adiar o caso.

O julgamento de ADIN apresentada pela Ordem dos Advogados do Brasil já tinha um placar de 6 a 1 contra as doações privadas a partidos e políticos. Com o voto de Gilmar, que acompanhou a divergência iniciada pelo ministro Teori Zavascki, o placar passou a ser de 6 a 2.

O caso será retomado amanhã “na primeira hora”, conforme disse o presidente da Corte, ministro Ricardo Lewandowski, que havia enfatizado sua vontade em concluir ainda hoje o julgamento. Faltam três votos a serem proferidos.

Ao fim da sessão, quando um advogado que representava a OAB pediu a palavra, Gilmar abandonou o plenário. Ele disse que o advogado não tinha direito à palavra. Lewandowski permitiu que o representante da Ordem falasse depois de lembrar ao colega do Supremo que era ele quem presidia a sessão.

Em seu voto, Gilmar argumentou que não há, na Constituição, base para declarar inconstitucional doação de empresas a campanhas.

O ministro pediu vista do processo em abril do ano passado e suspendeu o caso durante um ano e cinco meses. “Esse pedido de vista teve a mão de Deus”, disse ele hoje, mencionando a Operação Lava Jato e sua relatoria das contas do governo Dilma de 2014 no TSE.

base-banner22

Deixe um Comentário!