Notícias

Alckmin será premiado pela Sabesp, apesar da crise hídrica

Alckmin será premiado por gestão na Sabesp, apesar da crise hídrica

Alckmin será premiado por gestão na Sabesp, apesar da crise hídrica – Crédito: Paulo Fischer/Estadão Conteúdo

 

Alckmin receberá premiação da Sabesp por ser bom gestor, apesar dos dados escancarados de que ele (e as administrações tucanas) sucateou a empresa de saneamentos do Estado.

Em meio a colapso hídrico e denúncias de má gestão na Sabesp, o deputado federal João Paulo Papa (PSDB-SP) teve uma ideia inusitada. O tucano indicou à Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, entre os vitoriosos da edição 2015 do “Prêmio Lúcio Costa de Mobilidade, Saneamento e Habitação”.

O evento de premiação acontecerá na abertura do III Seminário Internacional de Mobilidade e Transportes, no dia 13 de outubro, na Câmara dos Deputados. Segundo Papa, Alckmin lidera um processo de gestão e de implementação de políticas públicas nas áreas de saneamento e de recursos hídricos como governador do estado.

A premiação de Alckmin soa como algo incoerente. São Paulo vive com a crise da falta d’água há quase dois anos. Especialistas em gestão hídrica alertaram que, se o governo do estado que é dirigido pelo PSDB há 20 anos tivesse tomado uma iniciativa anos atrás no combate ao colapso hídrico, a situação não teria chegado a níveis alarmantes. Hoje, o Sistema Cantareira, maior manancial que distribui água para a grande São Paulo, opera com volume morto, que se caracteriza por ser um reservatório com 400 milhões de metros cúbicos de água situado abaixo das comportas das represas do Sistema Cantareira.

Crise aumenta, lucros também

O governo Alckmin, desde o início da crise, insiste em negar que há racionamento no estado, em contrapartida, milhares de moradores denunciam todos os dias a qualidade insalubre que as águas chegam em suas torneiras, muitas vezes, com coloração estranha e mau cheiro, além de conviverem dias sem o abastecimento.

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) prepara um novo reajuste na conta de água para este ano, o terceiro desde dezembro. Desta vez, a companhia quer repassar aos clientes os 7,5% da receita bruta obtida na cidade que é obrigada a depositar no Fundo Municipal de Saneamento Ambiental e Infraestrutura para execução de obras.

A receita da Sabesp com a multa cobrada dos consumidores da região metropolitana que aumentaram o consumo de água durante a crise, já supera os R$ 200 milhões em apenas cinco meses de vigência da medida.

Segundo dados divulgados pela companhia em julho, a sobretaxa de até 50% na conta de água e esgoto para quem gasta mais do que a média registrada antes da crise hídrica já rendeu R$ 202,3 milhões à empresa até junho, cifra maior do que o custo (R$ 130 milhões) previsto na transposição de água da Billings para o Sistema Alto Tietê, prevista para setembro.

Governo Alckmin é acusado de má gestão da água

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) afirmou em agosto que a falta de água em São Paulo foi resultado da falta de planejamento do governo paulista e relatou que a Secretaria Estadual de Recursos Hídricos (SSRH) recebeu vários alertas sobre a necessidade de um plano de contingência para eventuais riscos de escassez hídrica na Região Metropolitana de São Paulo. A pasta negou as alegações e disse que era impossível prever a estiagem de 2014.

As informações fazem parte do parecer do Tribunal de Contas do Estado sobre as contas do governador de São Paulo Geraldo Alckmin em relação ao ano passado. O TCE aprovou as contas do tucano com ressalvas no fim de junho e listou 20 recomendações em diferentes áreas que o governo deveria adotar.

Fonte: Laís Gouveia/Portal Vermelho

base-banner22

3 Comentários

Deixe um Comentário!