Blog do Mailson Ramos Notícias

Eduardo Cunha: será o fim desta vez?

Eduardo Cunha: será o fim desta vez?

Eduardo Cunha: será o fim desta vez? – Crédito: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Depois de acaloradas discussões sobre as denúncias contra Eduardo Cunha, será que a denúncia por parte do MPF colocará ponto final às suas aspirações políticas?

As notícias de ontem (19) davam conta de que Eduardo Cunha seria denunciado pelo Ministério Público junto ao Superior Tribunal Federal até o dia de hoje. Ansiosos estão todos aqueles que aguardam o desfecho da história de Eduardo Cunha, o deputado que instituiu o revanchismo entre o governo e a Câmara nos últimos meses. Também foi ele o criador de um exército de asseclas capazes de votar em qualquer matéria ao seu bel prazer. Muita gente aguarda a queda de Eduardo Cunha, mas é bom lembrar que ele é como o Jason, da Sexta-Feira 13: sempre volta.

Quando Julio Camargo delatou a ânsia de Cunha pelos 10 milhões – apesar de que ele só recebeu 5, pobrezinho – houve quem apostasse em sua queda imediata. O peemedebista vociferou, ergueu as armas, mostrou os dentes como um leão ferido e conseguiu sobreviver mais alguns dias em sua intrépida luta contra o governo Dilma. Talvez tudo fosse melhor se na cadeira de presidente da República estivesse sentado seu muy amigo Aécio Neves. Como não contava com isso, Cunha foi obrigado a se revirar entre as cercanias farpadas das críticas na Câmara e na imprensa, por incrível que pareça.

Um cartaz estampava “Somos todos Cunha” numa destas manifestações que pedem o fim da corrupção. Não dá para justificar o sentido da frase com o intuito da reivindicação: como é que você defende a luta contra a corrupção e se compadece com o Eduardo Cunha? Não dá. É graças a estes apoios mirabolantes que a corrupção vai se perpetuando, mesmo que o discurso contra ela seja vívido e feroz. O blogueiro Bepe Damasceno explorou uma questão interessante sobre as manifestações: não se viu um cartaz contra a doação de empresas a campanhas eleitorais. Os organizadores das manifestações concordam com o Cunha, estão com ele e disseram que o foco não era criticar o presidente da Câmara, portanto, não deveriam criticar a mãe da corrupção que é a doação de empresas privadas a campanhas.

Tudo isso serve para dizer que nos próximos dias a batata de Eduardo Cunha deve assar por completo. Já não o suportam mais, nem mesmo os seus asseclas. O PMDB não o suporta mais porque as diretrizes de sobrevivência de um partido pré-histórico é obedecer a hierarquia. Eduardo Cunha pode até ter trocado chumbo com o governo e vencido em batalhas diversas, mas um dia que suas feridas são mortais. Cosi passa la gloria del mondo (Assim passa a glória do mundo). Não se pode vencer todas as batalhas. Em matéria de sobrevivência, Cunha precisava de mais algumas aulas com Renan.

De fevereiro até aqui a história do site Nossa Política se confunde com esta guerra entre as esferas de poder no Brasil; foi justamente com a ascensão de Cunha que o conflito se intensificou. Dura até hoje e durará por mais alguns meses sem que antes uma mente dialógica interceda pelo bem desta nação. Quando isto acontecer já não estará em sua cadeira o deputado que cobrava escanteio e fazia o gol. Será o triste fim de Eduardo Cunha, condenado ao ostracismo por ter sonhado sonhos de ovelha negra entre raposas felpudas.

base-banner22

Deixe um Comentário!