Notícias

Câmara pede anulação de investigação contra Cunha

Câmara pede anulação de investigação contra Cunha

Câmara pede anulação de investigação contra Cunha – Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

Eduardo Cunha exerce influência sobre a Câmara e seus comandados. O jornal O Estado de S. Paulo traz informações de que a Câmara entrou com recurso no STF para invalidar investigação sobre o seu presidente.

A Câmara dos Deputados entrou com um recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) na tentativa de invalidar documentos obtidos no Departamento de Informática da Casa que podem comprovar o envolvimento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na Lava Jato. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Cunha foi alvo de um mandado de busca e apreensão em seu gabinete a mando do Procurador-Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, com autorização do STF.

Ele é investigado por ter sido citado no esquema pelo doleiro Alberto Youssef e pelo lobista Julio Camargo, acusado de ter recebido US$ 5 milhões em propina de um contrato de aluguel de um navio-plataforma das empresas Samsung e Mitsui com a Petrobrás.

A prova, segundo Youssef, seriam dois requerimentos abertos na Câmara em 2011 pedindo auditoria desses contratos para supostamente pressionar as empresas que haviam suspendido o pagamento de propina.

Segundo o jornal, no pedido encaminhado na sexta, 7, ao STF, a Câmara argumenta que a ação, autorizada pela Suprema Corte, “desrespeitou prerrogativas fundamentais da Constituição e a harmonia dos Poderes, necessárias para um exercício altivo e independente do Poder Legislativo para a sobrevivência de uma democracia civilizada”. O documento é assinado pelo advogado-geral da União substituto, Fernando Luiz Albuquerque Faria, em nome da Casa Legislativa.

Segundo ele, o pedido ‘não tem o objetivo de atingir a tramitação da qual Cunha é alvo e “muito menos o de sair em defesa do investigado. A Câmara dos Deputados atua aqui em nome próprio”.

Pelo Twitter, Cunha negou influência sobre o recurso:

“Não orientei qualquer ação, até porque não preciso que a minha defesa seja feita por alguém que não seja o meu advogado”, diz. Segundo ele, a atuação da AGU independe de recomendação ou autorização da Câmara, mas que a reação “deveria ter sido feita em defesa da imunidade parlamentar, não em defesa minha, da qual não preciso”.

Fonte: Jornal do Brasil

base-banner22