Notícias

Dilma e Renzi assinam plano de cooperação

Dilma e Renzi assinam plano de cooperação

Dilma e Renzi assinam plano de cooperação – Crédito: Tiberio Barchielli/Palazzo Chigi

 

Dilma e Renzi assinam plano de cooperação

A presidente Dilma Rousseff mantém uma agenda internacional extensa. Depois de se reunir com os presidentes do Brics, ela chega à Itália para se reunir com Matteo Renzi, o primeiro-ministro deste país. A presidente discutiu com Renzi sobre dois impasses judiciais que têm nome e sobrenome: Cesare Battisti e Henrique Pizzolato. Dilma e Renzi assinaram ainda um plano de cooperação de 16 áreas entre Brasil e Itália. Da correspondente da RFI em Roma, Gina Marques.

A presidente Dilma Rousseff se encontrou esta tarde com o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, no Palácio Chigi, sede do governo italiano, em Roma. Após a reunião, em declaração conjunta, Renzi afirmou que Itália e Brasil compartilham muitos valores culturais e interesses comerciais, mas que ainda há questões abertas, como no caso da Justiça. Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

“Temos algumas questões abertas, em particular no que diz respeito ao setor da Justiça. Penso, espero e creio que esta renovada relação possa nos ajudar a resolver, no respeito das leis de cada país, inclusive a solução dos casos mais difíceis” disse o primeiro-ministro italiano.

Renzi não mencionou especificamente o caso do italiano Cesare Battisti, que em 2010 recebeu asilo político do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva. O ex-terrorista italiano foi condenado em 1987 à prisão perpétua na Itália pela autoria direta ou indireta dos quatro homicídios atribuídos aos Proletários Armados pelo Comunismo, grupo do qual era membro.

Fontes ligadas ao Palácio Chigi atribuem a declaração de Renzi como uma convocação da Itália para que o Brasil reconsidere a situação de Battisti.

Ligações culturais e históricas

A presidente Dilma, por sua vez, destacou as ligações culturais, históricas e comerciais com a Itália. “Esta proximidade com a Itália justifica que nós tenhamos assinado um plano de ação em 16 áreas chaves, entre elas investimentos, comércio, defesa, indústria, cultura e educação” disse a presidente.

Sobre as relações comerciais, Dilma destacou a importância das pequenas e médias empresas. “Temos muito a aprender com a Itália, que construiu um tecido social completo com suas pequenas. Esta parceria será excepcional para o Brasil”, disse Dilma. Ela convidou as empresas italianas para participar do plano de concessões lançados pelo governo federal. “ A Itália é um parceiro essencial”, disse a presidente.

Investimentos

São cerca de 1,2 mil atuando no Brasil, com um estoque de investimentos de quase US$ 20 bilhões. O comércio, em 2014, também colocou os italianos entre os dez maiores parceiros comerciais. De 2008 a 2014 o fluxo de comércio cresceu cerca de 10% passando de US$ 9,38 bilhões para USS 10,33 bilhões. De janeiro a maio de 2015, a corrente de comércio entre os dois países alcançou USS 3,47 bilhões.

Nas relações internacionais, eles reafirmaram a intenção de trabalharem juntos para a defesa dos direito humanos e contra a pena de morte.

A presidente Dilma Rousseff chegou a Roma nesta sexta-feira (10) de manhã. Ela almoçou com o presidente da República, Sergio Matarella, no palácio do Quirinale. Em seguida encontrou-se com o diretor geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), o brasileiro José Graziano da Silva, na embaixada do Brasil. Logo após, ela foi recebida pelo primeiro-ministro Matteo Renzi e depois viajou para Milão, onde vai visitar a EXPO amanhã.

(Acompanhe as publicações do Nossa Política no Facebook. Curta aqui).