Mídia Notícias

Casa Grande & Senzala, a mídia e Mino Carta

Casa Grande & Senzala, a mídia e Mino Carta

Casa Grande & Senzala, a mídia e Mino Carta – Crédito: Reprodução

 

Casa Grande & Senzala, a mídia e Mino Carta

Mino Carta é fundador das revistas Veja, Quatro Rodas e Carta Capital, assim como do Jornal da Tarde. Ele sempre traça uma relação entre o livro Casa Grande & Senzala, de Gilberto Freyre, e a mídia brasileira. A entrevista foi publicada no Portal Vermelho.

Durante a palestra “A história do jornalismo brasileiro através da ficção”, realizada nesta semana, em São Paulo, o diretor da revista Carta Capital se baseou em exemplos estrangeiros para defender a existência de um órgão regulador e criticou o fato da mídia brasileira ser “a extensão da casa grande”.

“Desse Parlamento que nós temos, jamais esperem essa lei. Eles não têm interesse de lançar ao mar essa lei”, ponderou. Mino ressaltou que a imprensa no Brasil está “alinhada de um lado só”. “A maior desgraça do país é representada por três séculos e meio de escravidão. A casa grande e a senzala continuam. É um pecado que indiretamente nós todos aceitamos, com a contribuição do jornalismo brasileiro, presente para nos confundir constantemente”, disse.

Italiano de Gênova, Mino afirmou não conhecer outro país que viva situação semelhante e avaliou que os veículos de comunicação nacionais representam os interesses da minoria dominante. “Não conheço um único país do mundo, dos desenvolvidos, dos democráticos, dos civilizados, não conheço um que tenha o mesmo tipo de mídia”, disse. “O que me leva a crer que a mídia [brasileira] é a extensão da Casa-Grande e Senzala”, complementou, ao se referir à obra do antropólogo Gilberto Freire, de 1933.

Responsabilidade de jornalista

Em São Paulo desde 1946, o profissional conta que no início da carreira “trafegava pelo jornalismo com certo espírito mercenário”, porém com lealdade ao patrão que pagava seu salário. Ele percebeu a responsabilidade de sua tarefa, após passagem pela Editora Abril. “A família Civita entende de Brasil, como eu de numismática. Naquela época, realmente percebi a necessidade, a serventia do bom jornalismo. Ao jornalista não peçam para ser objetivo. A objetividade é das maquinas de escrever. O jornalista é subjetivo ao colocar uma vírgula em uma página em branco. A imprensa omite, mente e inventa. Na Veja pós-Mino se dizia: antes crie a frase e depois a coloque na boca de alguém”.

Crise do jornalismo

Fundador da revista Quatro Rodas, do Jornal da Tarde e das revistas Veja e IstoÉ, Mino acredita que o jornalismo impresso sobreviverá à análise. “Hoje se discute o futuro do jornalismo à luz dos avanços tecnológicos e o Brasil não será poupado dessa discussão. O jornalismo impresso sobreviverá à analise. Haverá um avanço, em função da democratização efetiva do país”, aposta. Classificando-se como “um velho caquético e antigo”, resistente à modernidade, o jornalista admite que não tem celular e não usa computador, “porque sei que ele vai me engolir”.

Gilberto Freyre – Casa Grande & Senzala

base-banner22