Notícias

A renúncia de Blatter é a ponta do novelo

A renúncia de Blatter é a ponta do novelo

A renúncia de Blatter é a ponta do novelo – crédito: CGI

 

A renúncia de Blatter é a ponta do novelo

A renúncia de Joseph Blatter é de fato a ponta do novelo. Quando um jornalista perguntou ao presidente reeleito da FIFA se ele tinha medo de ser preso, Blatter respondeu que não tinha motivos para isso. É interessante pensar que ele está há quase trinta anos nas estruturas administrativas da entidade máxima do futebol.

Blatter não é bobo. Sairá de cena para não evidenciar a total putrefação das atividades da FIFA. Sabemos todos que a propinagem vai muito mais além dos sete presos na última sexta-feira. Blatter teme os processos que correm em segredo de justiça, nos Estados Unidos.

Aqui no Brasil não é diferente. Ronaldo e Ricardo Teixeira se mantem com os pés presos em solo brasileiro. não seriam corajosos o bastante de, por exemplo, retornar a Miami, onde ambos têm negócios. Ronaldo com J Hawilla, aquele que se entregou à justiça, e Teixeira… Bom, onde Teixeira não tem um negócio?

A renúncia do suíço Blatter pode afetar muitos brasileiros. Não há de sobrar pedra sobre pedra. O site Nossa Política reproduz matéria de ESPN sobre a queda do presidente da FIFA.

Poucos dias após ser reeleito para um quinto mandato como presidente da FIFA, Joseph Blatter renunciou ao cargo, nesta terça-feira. Ele convocou o Comitê Executivo de forma extraordinária para escolher um novo mandatário.

“Vou continuar a exercer minha função como presidente até um novo ser escolhido. O próximo congresso demoraria muito. Esse procedimento será de acordo com os estatutos”, afirmou o dirigente suíço, desde 1998 à frente da FIFA.

Blatter disse que não estava com o apoio necessário para seguir como presidente do órgão mais importante do futebol mundial. Assim, o comitê executivo extraordinário será convocado entre o final deste ano e o começo do próximo para a escolha do novo mandatário.

A entidade caiu em descrédito na última quarta-feira, dois dias antes da eleição presidencial, quando sete membros do comitê executivo foram presos acusados de corrupção. Muitas federações pediram o adiamento do pleito, o que não aconteceu.

Blatter acabou vencendo o único candidato de oposição, o príncipe da Jordânia Ali bin Al-Hussein, depois de a eleição não ter acabado no primeiro turno e o adversário ter desistido de uma nova rodada de votação.

O suíço afirmou que as prisões ajudavam a limpar a FIFA, mas na última segunda-feira seu principal braço-direito, Jerome Valcke, foi acusado de ter dado autorização para que 10 milhões de dólares de um fundo da Associação de Futebol da África do Sul (Safa) fossem para o vice-presidente da Concacaf, Jack Warner, um dos detidos pelo caso de corrupção revelado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

(Acompanhe as publicações do Nossa Política no Facebook. Curta aqui).