Notícias

Senado aprova indicação de Fachin

Senado aprova Fachin

Senado aprova Fachin – Crédito: Agência Senado

 

Senado aprova indicação de Fachin

Não se pode dizer que houve queda de braço. A indicação de Luiz Edson Fachin foi acatada também pelo Senado Federal. A matéria reproduzida pelo Nossa Política é do site Uol.

O Senado aprovou, nesta terça-feira (19), a indicação do jurista Luiz Edson Fachin como ministro do STF (Supremo Tribunal Federal). Ele obteve 52 votos. Outros 27 senadores votaram contra e não houve abstenções. Para ter o nome aprovado, Fachin precisava do voto favorável de 41 senadores. O agora ministro ocupará a vaga aberta pela saída de Joaquim Barbosa em 2014.

A aprovação do jurista é vista como uma vitória do governo que se empenhou para que o jurista tivesse seu nome aprovado junto aos senadores. Ao longo das últimas semanas, o nome do advogado foi alvo de intensas críticas de parlamentares da oposição. Ainda não há data prevista para a posse de Fachin como ministro do STF.

Luiz Edson Fachin tem 57 anos de idade, é formado em Direito pela Universidade Federal do Paraná (onde é professor titular) e sócio-fundador da banca Fachin Advogados Associados. Suas especialidades são Direito Civil e de Família. Ele é mestre e doutor em Direito pela PUC de São Paulo e foi pesquisador do Instituto Max Planck, na Alemanha, além de ter sido professor-visitante do King´s College, no Reino Unido.

A presidente Dilma Rousseff (PT) indicou o jurista no dia 14 de abril, nove meses depois da saída do ex-ministro Joaquim Barbosa. A confirmação da indicação de um candidato à vaga de ministro do STF passa por duas fases no Senado. A primeira é sabatina na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado. A segunda é a votação da indicação no Plenário da Casa.

A confirmação da indicação de Fachin para o STF foi marcado pela tensão entre governo e oposição. Desde o anúncio de seu nome, o jurista mobilizou sua equipe para visitar senadores em busca de apoio.

Parlamentares de oposição e do PMDB criticaram a indicação de Fachin por conta do apoio que o jurista deu à então candidata Dilma Rousseff à Presidência em 2010, suas manifestações em relações a movimentos sociais e à poligamia e em relação ao exercício da advocacia durante o período em que Fachin exerceu o cargo de procurador do Estado do Paraná, entre 1990 e 2006.

Para lidar com a oposição ao seu nome, a equipe de Fachin criou um site na internet onde foram postados vídeos em que o jurista aparece se defendendo das principais críticas feitas a ele.

Mesmo com toda a resistência criada pela oposição, ele obteve 20 votos a favor sete contrários na sabatina realizada pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, na semana passada. A sabatina durou mais de 12 horas.

Além de vencer a resistência de parlamentares de oposição, Fachin superou as ressalvas do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) ao seu nome.

Em março deste ano, em meio à polêmica relativa à demora para que Dilma indicasse o substituto de Joaquim Barbosa, Renan disse que qualquer indicação feita com a “digital do PT”, não passaria pelo Senado.

Para vencer a resistência de Renan ao nome de Fachin, a presidente Dilma Rousseff chegou a conversar pessoalmente com o presidente do Senado para evitar que sua indicação fosse barrada no Senado.

Oposição reclama; governo comemora

 Para o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), um dos líderes da oposição, a aprovação do nome de Fachin e a suposta identificação do jurista com o PT e a presidente Dilma colocam em dúvida futuros julgamentos dos quais Fachin possa participar.

“Qual é o problema que existe neste momento? Vamos ser bem objetivos. É que existe uma identificação direta, política e ideológica do ministro com o PT e a presidente Dilma. E isso tira dele aquilo que é fundamental num ministro que é a imparcialidade. Juízes e nem ministros podem ter lados. Isso compromete amanhã o julgamento. E mesmo que esteja certo, a sociedade vai sempre colocar em dúvida o seu posicionamento”, afirmou Caiado.

Já o senador Humberto Costa (PT-PE), comemorou a aprovação do nome de Fachin e negou que a reputação do STF fique abalada com a presença do jurista na Corte.

“Pelo contrário. Ele é uma pessoa que na sabatina deu todas as demonstrações de ser uma pessoa com uma ampla cultura jurídica (…) com posições progressistas e com uma reputação absolutamente ilibada. Acho que a indicação dele pelo governo e a aprovação no Senado só fazem fortalecer o STF. Acho que foi uma vitória do Brasil”, afirmou.

Questionado sobre se a aprovação de Fachin como ministro do STF representaria uma derrota do presidente do Senado, Renan Calheiros, Costa disse não acreditar que Renan tivesse trabalhado contra a candidatura de Fachin à Corte.

“Em nenhum momento procuramos estabelecer vitórias ou derrotas de governos ou oposição (…) Se (Renan) trabalhou (contra Fachin), o resultado acabou sendo diferente do esforço para esse trabalho. Mas eu não acredito. Acho que o presidente Renan jamais deixaria de ter uma posição de estadista para ter uma posição pequena do ponto de vista política”, disse Costa.

(Acompanhe as publicações do Nossa Política no Facebook. Curta aqui).