Notícias

Se bate como homem, mulher tem que apanhar como homem

Fraga: Se bate como homem, mulher tem que apanhar como homem

Fraga: Se bate como homem, mulher tem que apanhar como homem – Crédito: Band

 

Se bate como homem, mulher tem que apanhar como homem

As coisas continuam quentes no Congresso. Ontem, na Câmara, uma discussão entre deputados levantou uma poeira que por pouco não inviabilizou a aprovação dos projetos da noite. Por algumas vezes o presidente Eduardo Cunha foi obrigado a suspender a sessão. Na verdade, a analisar o conteúdo das falas, é possível perceber mais uma vez que o Congresso está repleto de figuras conservadoras e desrespeitosas.

Não bastam os crimes que as mulheres sofrem no dia-a-dia; não basta a desigualdade de gênero que escava um fosso entre as mulheres e os homens; não basta a insuficiência de políticas públicas que salvaguardem a vida das mulheres brasileiras; aparece um deputado como este, líder da chamada ‘bancada da bala’, soltar uma frase como esta. Depois se retratou em nota, tentando converter a verborragia em mal-entendido. Vai mal, Brasil. A matéria abaixo é do Portal Terra, com fragmentos dos sucessos da noite de 06 de maio.

Em meio a um desentendimento entre deputados no plenário da Câmara, o líder da bancada da bala, Alberto Fraga (DEM-DF), disse nesta quarta-feira (6), em referência à deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), que merecem apanhar as mulheres que entram na política e batem como homem. “Eu sempre digo que a mulher que entra na política e que bate como homem, tem que apanhar como homem”, repetiu o parlamentar, depois que a colega reclamou de uma agressão física.

A confusão começou em uma discussão entre o deputado Roberto Freire (PPS-SP) e Orlando Silva (PCdoB-SP), que divergiam sobre uma manifestação da Força Sindical, que jogou cédulas falsas de dólares no plenário, enquanto a Câmara discutia a MP 665, que muda regras do seguro-desemprego.

Durante a fala de Orlando Silva, Freire bateu nas costas do deputado do PCdoB. Jandira tentou intervir, mas o parlamentar do PPS tirou o braço dela com força. Depois de reclamar de ter sido agredida, a deputada ouviu a frase do parlamentar do DEM, que gerou protestos da bancada feminina.

“Ninguém pode se prevalecer da condição de mulher para agredir em quem quer que seja. E eu sempre digo que mulher que participa da política e bate como homem, tem que apanhar como homem”, disse Fraga, ao tentar defender Roberto Freire.

Jandira Feghali promete processar o deputado por quebra de decoro parlamentar. “O que envergonha é que deputados, por causa de uma posição política, sustentem uma postura dessa. O que ele disse ali é uma coisa absolutamente fora de qualquer contexto”, disse a deputada, que foi relatora da Lei Maria da Penha.

Chamado de fascista, o deputado Alberto Fraga repetiu suas palavras e rebateu as críticas da deputada. “Ela mostra outras qualidades, de atriz. Primeiro, eu não sou fascista, fascista é quem faz um discurso mentiroso e se escuda no movimento das mulheres”, disse. Após a confusão, Roberto Freire, por sua vez, reconheceu que pode ter tirado o braço da deputada com força e pediu desculpas por isso.

Assista ao vídeo em que Fraga discursa sobre Feghali.

(Acompanhe as publicações do Nossa Política no Facebook. Curta aqui).