Blog do Mailson Ramos

Os erros do Partido dos Trabalhadores

Os erros do Partido dos Trabalhadores

Os erros do Partido dos Trabalhadores – Crédito: Reprodução

O PT fez conchavos, negociou, rendeu-se aos apelos do sistema político e determinou seu próprio padecimento quando aderiu à corrupção. Este foi o seu maior erro.

A maior grandeza do ser humano é o reconhecimento dos seus erros. Talvez este seja, até aqui, o maior erro do Partido dos Trabalhadores. E de todos os outros partidos. Não reconhecer as falhas quando elas são tão visíveis que não precisam sequer ser comentadas. Neste momento, é quase impossível dizer quem não errou. Traçar um paralelo da redemocratização até aqui sem apontar erros claros dos partidos políticos é muito mais uma piada do que uma afirmativa. E na verdade, os políticos e seus partidos não estão sozinhos neste festival de erros. A imprensa tem um papel fundamental na proporção dos erros políticos cometidos neste país. Não se deve isentá-la, assim como também não é possível contornar com uma borracha os erros históricos cometidos desde a proclamação da República por uma imprensa tendenciosa, imparcial e desejosa de poder.

Um partido político é uma entidade que agrega membros e é coordenado por um estatuto. Suas regras devem ser observadas igualmente por todos os membros, e as punições infringidas a todos aqueles que as desobedecerem. O Partido dos Trabalhadores sofreu uma grande transgressão quando assumiu o poder. Houve uma descaracterização de seus princípios primeiros. Naturalmente a ânsia por poder foi superior à necessidade de rever e reorientar seus princípios. O PT se tornou, naquele momento da vitória, a entidade política mais acreditada no Brasil, embora a grande imprensa e os grandes grupos hegemônicos nunca o tenha reconhecido. Aliás, jamais reconhecerão.

Analisando friamente, o Partido dos Trabalhadores se comportou como qualquer outro partido ao assumir o poder. Fez conchavos, negociou, rendeu-se aos apelos do sistema político e determinou seu próprio padecimento quando aderiu à corrupção. Este foi o seu maior erro. E é terrivelmente o erro crasso de todos os outros partidos, desde o mais mirrado aos dinossauros reforjados na pós-ditadura. Isso foi um prato cheio para aqueles mesmos grupos que já no início decretavam a derrocada do partido da estrela vermelha. A imprensa que sempre bateu, aproveitou para bater com mais força, de maneira tão desproporcional que gera ódio e faz parecer que somente o PT erra.

Entretanto, num cenário que faz transparecer a nocividade do PT, existem os resultados claros de uma política feita para os mais pobres. Ainda que seus principais críticos tenham sido os grupos mais poderosos do país, foi para eles também que o PT governou. O Brasil, em meio a um sério debate ético, avançava na economia e se livrava de uma eterna dívida contraída junto ao FMI. Enquanto as CPIs transitavam pelo Congresso, o Brasil fortalecia as empresas estatais, especialmente os bancos e a Petrobras. O PT erraria outra vez ao não desmascarar o esquema de propinas na petroleira quando assumiu o poder em 2003. E durante dois mandatos de Lula, um de Dilma, a imprensa foi alimentada pelo governo para mentir contra ele. Um erro imperdoável.

As matérias inverídicas de ‘Veja’, por exemplo, somaram-se semanas após semanas. Fossem as matérias resultados de investigação, menos mal. Tudo aquilo era montante de suposição contra um governo que a alimentava para mentir. Hoje o PT busca corrigir os erros quando sabe que os outros partidos não vão fazer o mesmo. Quando anunciou que não receberá financiamento privado de campanha, não causou o mínimo de surpresa na imprensa. A desfaçatez do sistema é tão nefasta que os poderosos brincam com a nossa inteligência. Não dando coro ao PT, eles desvalorizam sua iniciativa para que outros partidos não a sigam, afinal, são os poderosos que emprestam dinheiro às campanhas em troca de favores.

Enquanto os erros petistas servirem para ocultar a corrupção de outros partidos, o Brasil vai enxergar com um olho só. Melhor: vai permanecer com uma névoa que depois se mostrará uma tempestade. Seria tanto melhor se todos os partidos expusessem seus erros. A guilhotina no pescoço dos petistas salvaria a corrupção instalada no seio do PSDB, PMDB, PP, DEM e de tantos outros que a falta de espaço me impede de citar. Não pensem os rancorosos antipetista que o reconhecimento do erro é um reconhecimento da derrota. Não. Assim como as entidades superiores que resgatam sobre si, das cinzas, um fator de sua valorização na história, também o PT terá a sua chance. Muito melhor é se apressar em reconhecer os erros próprios do que figurar de impoluto e paladino da ética quando os rastilhos dos passos se afundam em pútrida lama.