Mídia Mundo

Noruega lidera democratização da mídia

Noruega lidera democratização da mídia

Noruega lidera democratização da mídia – Crédito: Reprodução

A democracia da mídia é um sonho intenso dos brasileiros que veem cada dia mais os monopólio se estabelecerem. Na Noruega, isso é uma realidade.

Da mesma forma como as publicações digitais passaram a ocupar os espaços até então reservados aos jornais impressos, neste setor da mídia, as estações de rádio FM, na mídia eletrônica, estão com seus dias contados. A partir de Janeiro de 2017, a Noruega será o primeiro país a encerrar, definitivamente, esta frequência que, no Brasil, ainda encontra um número expressivo de ouvintes. A razão que impede as rádios digitais de chegar aos ouvintes brasileiros é o mesmo que ainda mantém a concentração deste segmento em grandes grupos empresariais ligados à direita e dominados pelo capital internacional.

A decisão do governo teve por base um programa para a digitalização da rádio aprovado pelo Parlamento em 2011, na última reforma da mídia realizada na Noruega. A transição para emissões em formato digital, segundo as autoridades, estará completa nos próximos dois anos.

Ministra norueguesa da Cultura e líder no processo de democratização da comunicação naquele país, Thorhild Widvey afirmou que a “digitalização da rádio vai abrir a porta para um número muito maior de canais de rádio, beneficiando ouvintes em todo o país”. A responsável, citada pelo site do Governo, sublinha que este passo irá tornar a rádio “mais diversificada e pluralista” e permitir aos ouvintes uma “melhor qualidade de som e novas funcionalidades”.

Thorhild Widvey explica, ainda, que atualmente existem na Noruega cinco canais nacionais com sistema FM, enquanto 22 emissoras em formato digital (Digital Audio Broadcasting, DAB na sigla em inglês) já transmitem regularmente, sendo que, segundo a ministra, há capacidade para 42 estações.

– Mais de metade da população tem acesso a rádios locais por DAB e há um potencial considerável para mais canais locais – adiantou.

O programa aprovado pelo Parlamento norueguês há cerca de quatro anos já previa que, a partir de 1 de Janeiro de 2015, começaria a ser posto em prática o processo de transição de FM para DAB, para que em 2017, mais precisamente a 11 de Janeiro, a rádio digital passasse a um padrão nacional.

O Governo norueguês indica que a rádio FM é oito vezes mais dispendiosa que uma rede DAB, estimando a tutela que transição permita uma poupança de 23,5 milhões de euros por ano, que podem ser aplicados nos conteúdos oferecidos pelas rádios digitais

Correio Brasiliense

base-banner22