Notícias

A militância que sabe ir às ruas

Manifestação a favor da Petrobras - Crédito: Nossa Política

Manifestação a favor da Petrobras – Crédito: Nossa Política

 

A militância que sabe ir às ruas

Salvador-Ba – Enquanto a grande mídia prioriza a cobertura e até prepara editoriais para as manifestações que acontecerão no próximo domingo (15), hoje, a militância de esquerda deu uma demonstração de força em defesa da democracia, da Petrobras e do respeito à Constituição Federal. Reuniram-se em frente ao prédio da Petrobrás, no Itaigara, centenas de manifestantes que partiram em defesa também do governo Dilma e exigiu reformas, sobretudo a reforma política e o marco regulatório da comunicação. Entre outras palavras, as autoridades do MST, CUT, CTB, UNE, deputados do PC do B, sindicalistas e entidades de classe discutiram o posicionamento da militância neste momento de crise em que a oposição e a mídia tem se apropriado de um discurso golpista para intimidar o governo.

Um dos discursos mais enfáticos desta manifestação foi do Deputado Federal Daniel Almeida (PC do B-BA) que reforçou o apoio à presidente Dilma e apontou a mídia (em especial a TV Globo) como principal responsávell pela depredação da imagem da Petrobras com interesses puramente comerciais voltados para o mercado financeiro. O deputado defendeu ainda a condição patrimonial da Petrobras como uma empresa estatal que tem colaborado efetivamente para a melhoria das condições de vida dos brasileiros. No final, Daniel Almeida conclamou a militância a seguir seu destino de lutas em busca de um Brasil mais justo para todos.

O discurso incisivo contra o golpismo da ‘oposição que não aceitou o resultado das urnas em outubro’ prevaleceu na maioria das falas, mas também nas mensagens gravadas nos cartazes e estampadas nas faixas. O que se viu nesta manhã foi uma amostra, segundo os representantes dos partidos e os sindicalistas, do que pode ser uma força maior em defesa do projeto de governo vencedor das eleições de 2014. Além disso, os representantes das entidades de classe, como a CUT e CTB, exigiram que o progrma seja posto em prática de acordo com os compromissos firmados pela presidente Dilma durante a campanha, especialmente aqueles que privilegiam o trabalhador.

Sobre uma referência específica das manifestações contrárias ao governo, o deputado Daniel Almeida afirmou que um dos seus pares, oposicionista, questionou a manifestação da militância em apoio a Dilma, ‘porque queria a rua limpa para o domingo, quando desfilaria o público pró-impeachment’. Estiveram naquela manifestação, segundo a polícia menos de duas mil pessoas, contra a contagem dos organizadores que registrou a presença de dois mil e quinhentos participantes. A presença do ex-presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, foi um dos momentos marcantes da manifestação que teve a cobertura de diversos orgãos da imprensa, inclusive do Nossa Política.

A TV Bahia, afiliada da TV Globo, não acompanhou à manifestações de perto. Durante vários momentos o nome da emissora dos Marinho foi citado, especialmente quando os mais exaltados relembravam o golpe militar de 1964 que teve apoio de grupos e setores hegemônicos da socideda brasileira. A cobertura da manifestação e os flashes ao vivo da TV Bahia se deram de um prédio vizinho ao da Petrobras, de onde se podia acompanhar os acontecimentos. Certamente a emissora baiana temia represálias dos manifetsantes, afinal, não é nada boa a relação entre estes setores e o poder midiático estabelecido por estes gupos de comunicação.

(Acompanhe as publicações do Nossa Política no Facebook. Curta aqui).

Imagens das Manifestações em Salvador 13/03/2015

[metaslider id=818]

Deixe um Comentário!