Notícias

Janot rejeita abrir investigação contra Aécio Neves

Janot rejeita abrir investigação contra Aécio Neves

Janot rejeita abrir investigação contra Aécio Neves – Foto: Orlando Brito

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) teve pedido de abertura de inquérito por citação nas delações premiadas da Operação Lava Jato rejeitados pela Procuradoria-Geral da República.

O procurador geral, Rodrigo Janot, recomendou ao Supremo Tribunal Federal o arquivamento do pedido sugerido pelos procuradores do caso. Não é pública ainda a íntegra do despacho, no qual será possível entender qual teria sido a citação ao senador que ensejou o pedido.

Ao longo das investigações da Lava Jato, transpareceu que uma construtora citou Aécio, candidato derrotado à Presidência em outubro, como alvo de pressões por parte de empresários.

Janot também recomendou o arquivamento do pedido de inquérito sobre Henrique Eduardo Alves, ex-presidente da Câmara dos Deputados. Do PMDB-RN, ele deverá agora assumir a pasta do Turismo –só não havia sido indicado justamente porque havia a informação de que ele poderia vir a ser citado na lista de Janot.

Já a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, tiveram pedidos de inquérito aceitos pela PGR. Caberá agora ao ministro Teori Zavascki acatá-los ou não. Segundo a reportagem apurou, os pedidos são resultados da delação do doleiro Alberto Youssef à Justiça. Segundo ele, teriam sido entregues R$ 1 milhão à campanha da senadora em 2010.

54 nomes

A PGR enviou ao STF 28 pedidos para investigar 54 pessoas envolvidas na Operação Lava Jato. Estão na lista os presidentes da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Também serão investigados os senadores Fernando Collor (PTB-AL) e Edison Lobão (PMDB-MA) e o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR).

Entre os 54 investigados estão políticos e pessoas sem o chamado foro privilegiado. Todos responderão a inquéritos. Nenhuma denúncia direta foi feita. No meio político, também é esperado que o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) e presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI), tenham seus nomes na lista. Todos negam envolvimento no caso.

Fonte: O Tempo

Deixe um Comentário!