NP Online » Capa » Estudantes baianos rasgam outdoor que pedia intervenção militar
Capa

Estudantes baianos rasgam outdoor que pedia intervenção militar

Estudantes baianos rasgam outdoor que pedia intervenção militar
Estudantes baianos rasgam outdoor que pedia intervenção militar
Estudante da Uesb, em Vitória da Conquista, rasgaram outdoor que pedia a intervenção militar; peça foi promovida pelo vereador David Salomão (PTC).

Deu no G1:


Estudantes da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), em Vitória da Conquista, se revoltaram e rasgaram durante protesto um outdoor do vereador da cidade David Salomão (PTC), que defende uma intervenção militar no Brasil até a realização das eleições de 2018. A placa publicitária destruída pelos alunos, uma das quatro instaladas pelo vereador na cidade, foi colocada nas proximidades da instituição de ensino. O vereador, por sua vez, classificou a atitude como “vandalismo” e chamou os estudantes de “criminosos”.

Os outdoors espalhados pela cidade pelo vereador estampam em destaque a palavra “intervenção”, tendo a bandeira do Brasil ao fundo, ao lado de uma foto de rosto do vereador. Na imagem da bandeira, no lugar da frase “Ordem e Progresso”, as peças publicitárias trazem a palavra “Em progresso”, abaixo do termo “intervenção”. Também pode ser vista nas peças um, em letra com tamanho menor, a frase: “Uma grande nação deve ser regida por leis e não por homens”. Depois de rasgarem a mensagem, os estudantes escreverram a frase “Ditadura nunca mais” no outdoor.

O advogado e professor de Direito da UESB Ruy Medeiros, de 70 anos, também participou do ato, na quarta-feira (4), junto com outros docentes. Repudia a atitude do vereador, por, segundo ele, fazer uma alusão ao período da ditadura. Disse que viveu os momentos do regime ditatorial no país e que, por conta disso, decidiu protestar em apoio aos estudantes.

“Fui convidado a me manifestar e aceitei. Participei ativamente da luta contra a ditadura, cheguei a ser expulso da universidade na época e ainda passei pelo quartel do Barbalho, como preso político. Hoje, vivemos em um momento em que a utilização da moral para fins políticos, como em outros momentos, tem servido para justificar soluções de força, mas a gente sabe que isso não dá certo. É um discurso equivocado. O que precisamos é de articulação de forças democráticas mais afirmativas. Não podemos passar em branco esse tipo de manifestação”, destacou. (…)


2 Comentários

Clique aqui para escrever um comentário

  • Saí da infância sob ditadura, sendo varrida das ruas por PM ao ir comprar pão. Envelheço e não quero de novo isso. Ninguém fale por mim nem decida o que é bonito ou feio, o que deve ou não ser dito ou feito. Para o bem e para o mal sou livre, e assim quero morrer.

    • Melhor se varrida das ruas pelos policias do que ser assaltada e levar um tiro. Ou ser estuprada, sequestrada estuprada e morta.. As possibilidades nos dias de hoje sao inúmeras!
      Viva o regime militar que pos ordem na casa no momento que o brasil mais precisou.