Será hoje a reedição daquele 17 de abril?

Será hoje a reedição daquele 17 de abril?

Será hoje a reedição daquele 17 de abril?

A Câmara dos Deputados editará hoje mais um dia da vergonha como foi o dia 17 de abril de 2016, quando os deputados, comandados por Cunha, cassaram Dilma? É também uma questão de Fernando Brito.

Do Tijolaço:


Daqui a pouco, na Câmara, começa outro dia de vergonha para o Brasil.

Um governo que, ilegítimo desde a origem, cumpre seu pouco mais de um ano sem ter o que mostrar senão um país prostrado,  uma economia arruinada, serviços públicos em pré-colapso, e a política institucional reduzida ao exercício dos apetites mais mesquinhos.

A vontade popular nem mesmo é algo a ser conquistado: trata-se apenas de fazê-la ser ignorada.

A lei é apenas um instrumento de favores aos amigos e cúmplices e um castigo a ser usado contra os inimigos.

A economia é apenas o território de uma política de cata-moedas para fechar contas que não fecham jamais, pois o país apenas vegeta.

As tais “instituições”, uma lástima, onde todos procuram vantagens – de poder ou de dinheiro – perdidos completamente o equilíbrio, o decoro e o espírito público.

As Forças Armadas, notadamente o exército, usado numa missão que poderia se necessária, sim, mas é executada com nítido sentido publicitário, com um espalhafato que já desapareceu, ante o drama do fechamento das unidades de saúde. Pior, com evidentes sinais de que lá se opera um poder fora da cadeia de comando, o maior risco que pode viver uma instituição militar, fundada na hierarquia e disciplina.

A obra de destruição da política, dos partidos e das referências nacionais deu num “vale-tudo” de um cada um por si, onde cada um luta para recolher o quanto puder dos despojos da democracia e do Tesouro.

As mãos, no Brasil, há muito tempo não servem para construir nem para estenderem-se aos nossos irmãos mais pobres: são apenas um conjunto de dedos a serem apontados para o outro.

Hoje, ao que tudo indica, elas servirão também para levantarem-se em saudação a este caos.

As frases que eram gritadas – pelos meus filhos, pelos meus netos, pelo manto de Nossa Senhora! – agora serão apenas pensadas, embora ressoando de forma vil: “pelos meus cargos, pelas minhas emendas e dane-se o Brasil!”

É este o Brasil mais ético, mais moral, mais honesto que se conseguiu com o processo iniciado em 2013, do qual só o que se conseguiu mesmo foi a podridão do tal “padrão Fifa”.

Como sombras, metade dos parlamentares deslizará até o plenário para dar o número de que Temer precisa, como se ali se estivesse resolvendo um negócio pessoal, não o destino de uma nação.

Tudo isso já vi, há 25 anos, quase, quando o voto dos brasileiros foi negado na maldita votação das Diretas Já. Só fez adiar o reencontro do Brasil com a democracia, a convivência e a busca – que se posterga, mas não cessa – da felicidade a que temos direito.



Deixe um Comentário!