ACM Neto, o “anão” da Odebrecht, recebeu R$ 1,8 milhão

ACM Neto, o “anão” da Odebrecht, recebeu R$ 1,8 milhão

ACM Neto, o “anão” da Odebrecht, recebeu R$ 1,8 milhão – Foto: Beto Barata/PR

O delator André Vital Pessoa de Melo afirmou que a construtora doou R$ 1,8 milhão ao caixa 2 da campanha do prefeito de Salvador ACM Neto.

Do Uol:


O delator André Vital Pessoa de Melo, ex-diretor superintendente da Odebrecht na Bahia, afirmou que a construtora doou R$ 1,8 milhão ao caixa 2 da campanha do prefeito de Salvador ACM Neto (DEM-BA), em 2012. Nas planilhas do departamento de propinas do grupo, seu nome aparece associado ao apelido “Anão”. Neto garante ter 1,68 metro de altura.

Em nota enviada ao UOL, na noite desta quinta-feira (13), ACM Neto afirmou que a Odebrecht fez doação para sua campanha de 2012 através de seu partido, o Democratas. “Fato que aconteceu dentro da lei, com tudo registrado na Justiça Eleitoral. Portanto, não houve doação de caixa 2 para a nossa campanha”, diz o texto (leia a nota completa abaixo).

De acordo com o delator, que era subordinado ao então presidente da Infraestrutura Brasil Odebrecht, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, um total de R$ 2,2 milhões foi repassado à campanha do demista, sendo R$ 400 mil via doação eleitoral. BJ, como era conhecido o ex-executivo no meio político, confirmou o relato de Vital.

“Nas eleições municipais de 2012 eu recebi pedido de doação de campanha de alguns candidatos ao cargo de prefeito e de vereadores na cidade de Salvador. Após conversar pessoalmente com cada um deles eu apresentei, submeti a [Benedicto] Júnior uma proposta de apoio”, afirmou André Vital, em sua delação premiada.

André Vital relata que, no primeiro trimestre de 2012, se reuniu com ACM Neto no escritório do político em Ondina, bairro nobre da orla de Salvador. À época, Neto era deputado federal.

“Eu me lembro que pouco antes da convenção do partido, eu fui ao encontro dele no escritório político dele em Salvador, oportunidade em que ele me comunicou que viria a ser candidato a prefeito e que contava com o apoio da organização [Odebrecht]”, conta Vital

O ex-executivo contou que concordou com o pedido e, após a aprovação interna, passou a fazer os pagamentos a uma pessoa indicada por ACM Neto para receber as contribuições.

Trecho de documento do termo de colaboração do ex-diretor superintendente da Odebrecht na Bahia, André Vital, citando o atual prefeito de Salvador, ACM Neto.

Trecho de documento do termo de colaboração do ex-diretor superintendente da Odebrecht na Bahia, André Vital, citando o atual prefeito de Salvador, ACM Neto.

“Nessa oportunidade eu me recordo que ele me apresentou Lucas Cardoso como o responsável pelo recebimento dos pagamentos da campanha dele em 2012”, diz o delator.

O UOL apurou que Lucas Cardoso, empresário do ramo de entretenimento em Salvador, é um dos melhores amigos de ACM Neto e ex-namorado de sua irmã.

(…)


Escreva um comentário