Eduardo Guimarães é alvo de condução coercitiva

Eduardo Guimarães é alvo de condução coercitiva

Eduardo Guimarães é alvo de condução coercitiva – Foto: Ricardo Stuckert

Eduardo Guimarães foi levado à força, quando tinha uma intimação para 3 de abril; ou seja, não estaria se negando a depor.

Correndo o risco de afrontar um poder que age como uma ditadura – exercendo coerção a quem se dispõe a depor –, devo dizer que há elementos básicos de perseguição política na condução coercitiva ao blogueiro Eduardo Guimarães, levado hoje para depor na Justiça Federal de São Paulo.

O mandado, expedido de Curitiba e determinado por Sérgio Moro, tinha como função descobrir que teria vazado informações ao blogueiro sobre a condução coercitiva imposta a Lula no ano passado.

É interessante notar que jornalistas da grande mídia vazaram informações durante todos os processos e fases da Lava Jato. Ainda hoje não se descobriu quem grampeou o mictório de Alberto Youssef ou quem vazava as informações para jornalistas militantes da velha mídia que cumpriam um inequívoco timing entre delação e divulgação.

Nos áureos tempos da Lava Jato, quando o que interessava era pulverizar o governo Dilma, as gravações de conversas entre a então presidenta e o ex-presidente Lula chegaram à redação do Jornal Nacional antes que ele fosse ao ar.

Recentemente, a lista de Janot vazou primeiramente para a Globo. Quando isso acontece, tudo bem. Fosse a Justiça igualitária, jornalistas ou blogueiros de outros veículos seriam intimados. Porque quando isso acontece com algum profissional da grande mídia, é ataque à liberdade de imprensa. Mas quando acontece com jornalistas de blogs progressistas, tá tudo bem.

E de mansinho começamos a trilhar os caminhos originais de todo golpe de estado: repressão velada e cerceamento de liberdades; aos meus aliados tudo, aos meus adversários os rigores da lei.

Eduardo Guimarães já foi liberado pela Polícia Federal.

1 Comentário

  • Esta absurda medida coercitiva teria deixado de existir caso o Congresso Nacional, cuja a maioria está de cócoras, altamente comprometido com a corrupção e com o golpe, fosse composto de pessoas acima de qualquerr dúvida o que não é, teria votado a lei de abuso de autoridade. Isto é censura, é intimidação aplicadas somente em regimes de exceção, como a que vivemos hoje e o pior, sem que o STF nada faça para proibir medidas repulsivas como esta.

Escreva um comentário