Nossa Política » Notícias » Marcelo Odebrecht confirma: Temer recebeu R$ 10 mi em propina
Notícias

Marcelo Odebrecht confirma: Temer recebeu R$ 10 mi em propina

Marcelo Odebrecht confirma: Temer recebeu R$ 10 mi em propina
Marcelo Odebrecht confirma: Temer recebeu R$ 10 mi em propina – Foto: Marcos Corrêa/PR
O ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, confirmou que Michel Temer recebeu propina no valor de R$ 10 milhões como havia antecipado em sua delação o ex-executivo da empreiteira Cláudio Melo Filho.

Saiu no R7:


Marcelo Odebrecht confirma pagamento de R$ 10 milhões a Temer

Em depoimento a investigadores da Lava Jato, o ex-presidente da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, confirmou o repasse de R$ 10 milhões ao então vice-presidente Michel Temer (PMDB). O pagamento, feito a pedido do próprio peemedebista, consta no acordo de delação premiada que o ex-vice-presidente de relações institucionais da companhia Cláudio Melo Filho está firmando. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O pedido do valor teria sido feito, segundo a delação, foi feito em maio de 2014, em um jantar organizado por Temer no Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência da República. O valor, no entanto, só foi disponibilizado pela empreiteira após as eleições daquele ano.

Melo Filho diz que Eliseu Padilha, hoje ministro da Casa Civil, foi quem operacionalizou o pagamento do dinheiro, que teria sido entregue na casa de Miguel Yunes, assessor especial da Presidência e amigo pessoal de longa data de Temer. Todos os citados negam participação.



2 Comentários

Clique aqui para escrever um comentário

  • Durante o interrogatório, o juiz perguntou ao ex-tesoureiro Paulo Ferreira: “O Partido dos Trabalhadores comumente tem feito declarações públicas de que não trabalha com recursos não contabilizados. Salvo engano, na minha compreensão, o senhor está afirmando algo diferente, que havia esses pagamentos, inclusive aqui na sua própria campanha. O senhor saberia explicar essa contradição?”
    Paulo Ferreira respondeu: “É um problema da cultura política nacional, doutor Moro. Eu não estou aqui para mentir para ninguém. Estou aqui para ajustar alguma dívida que eu tenha, minha disposição aqui é essa”.
    Em seguida, declarou: “Negar informalidades nos processos eleitorais brasileiros de todos os partidos é, na minha opinião, negar o óbvio”. Moro, então, perguntou: “Inclusive no Partido dos Trabalhadores, na sua campanha?” “Exatamente”, admitiu Ferreira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo de 15/12/2016.
    Todos que já leram alguma coisa sobre ordenamento jurídico eleitoral sabe que caixa 2 é crime, ponto final.

Receba Notícias!