Leandro Karnal: Moro seria um novo Collor

Leandro Karnal: Moro seria um novo Collor

Leandro Karnal: Moro seria um novo Collor – Foto: Pedro Serapio

O professor e historiador Leandro Karnal falou sobre a profunda crise brasileira e a possibilidade de que o juiz Sergio Moro venha a encarnar o papel de “salvador da pátria”.

Em entrevista à jornalista Sonia Racy, o professor e historiador Leandro Karnal falou sobre a profunda crise brasileira e a possibilidade de que o juiz Sergio Moro venha a encarnar o papel de “salvador da pátria”.

“A nossa corrupção está fazendo as pessoas imaginarem que virá do horizonte alguém que irá nos salvar. E não virá. Não virá. Um juiz Moro, usando como fantasia distópica, assumindo o poder sem o controle de uma máquina partidária, não terá nenhuma base no Congresso. Resultado: ele repetirá um pouco Collor com seu partido surgindo do nada, incapaz de dialogar com o Congresso. As soluções têm que ser coletivas e é preciso se dar conta que não depende de uma pessoa só, mesmo que ela seja honesta e competente. Depende de uma transformação do sistema”, diz ele. “Não existe nenhum obstáculo e nenhuma antipatia na candidatura do Moro. A minha antipatia é com o sebastianismo. O que tornou Portugal um país subdesenvolvido durante tanto tempo é a crença de que a força viria de fora, de uma salvação externa, de um Dom Sebastião.”

Karnal também criticou a hipertrofia do Judiciário nos dias atuais. “Nós precisamos reler Montesquieu. Os poderes estão divididos. O Ministério Público propôs as dez medidas contra a corrupção, e tem plena liberdade legal para fazer o que todo cidadão pode fazer, que é propor leis para o Congresso. Mas quem vota as leis é o Congresso, não o Ministério Público. Não concordei (com esse processo), como eu também não concordei com algumas medidas que foram feitas na calada da noite pelo Congresso, mas isso faz parte da democracia”, afirma. “O Executivo está lançando projetos de lei em excesso, a Suprema Corte está decidindo sobre leis que deveriam ser decididas pelo Congresso e o Congresso está não reconhecendo medidas da Suprema Corte. Ou seja, é preciso que todos releiam Montesquieu. Uma das almas da democracia são os três poderes mutuamente dependentes e soberanos. Mutuamente separados e dependentes um do outro.”

Fonte: Brasil 247

4 Comentários

  • Com o Sr moro dando risada com Aécio da para dizer quanto ele ganhou de propina para nao investigar o PSDB já que o pai dele fundou este partidos de corruptos moro não é honesto aqui e nem no exterior daqui a pouco estoura alguma coisa dele envolvido em corrupção

  • É preciso ter certeza do que se diz. O conteúdo é outro. Isso se resolve lendo.
    Moro é um juiz e não um político. Nós, os brasileiros, precisamos dele onde está, fazendo justiça. O professor Karnal não é o nosso problema. Ele tem o direito de dizer o que pensa, assim como cada um de nós. Mas há, sim, um problema que é nosso, incluindo os que não aprovam as opiniões do historiador: temos de votar certo nas próximas eleições, porque são os que ocupam o Congresso Nacional que sempre decidem por nós para o bem e para o mal. E, para isso, o melhor é ter olhos para ver e ouvidos para ouvir tudo que a classe política está fazendo com patrimônio público, que é de todos.Isso agora, já, para sabermos o que nos espera.

Escreva um comentário

Os comentários publicados são de total responsabilidade dos seus autores, portanto, não representam a opinião do site Nossa Política, exceto quando nos pronunciarmos oportunamente em resposta aos leitores. Contamos com o bom senso e a educação dos navegantes. Comentários serão moderados em, no máximo, uma hora.

Powered by keepvid themefull earn money