NP Online » Blog do Mailson Ramos » A Folha chama Fidel de ditador: é o jornalismo de guerra
Blog do Mailson Ramos Mídia

A Folha chama Fidel de ditador: é o jornalismo de guerra

A Folha chama Fidel de ditador: é o jornalismo de guerra
A Folha chama Fidel de ditador: é o jornalismo de guerra – Foto: Reprodução
A polarização sobre a imagem de Fidel Castro existe. Mas a mídia brasileira e o seu jornalismo de guerra degeneram a essência da notícia.

Somente uma imprensa acanalhada como a brasileira seria capaz de publicar manchetes tão estarrecedoras sobre a morte de Fidel Castro como fez a Folha de S.Paulo. Os grandes jornais do mundo publicaram manchetes reforçando a liderança de Fidel. Ainda que a Folha quisesse – por seu bel prazer – levar a palavra ditador para a manchete, podia ao menos fazer como jornais que deram a visão de quem o considerava ditador e de quem o considerava uma liderança.

Mas isso não interessa ao jornalismo de guerra, afinal de contas, ele tem um lugar de fala e um público de fígado inflamado que precisa odiar Cuba e tudo o que vem daquele país; porque os cubanos foram aliados dos governos petistas; porque os petistas roubaram dinheiro brasileiro para investir na ilha dos Castro. Ou tolices deste tipo que se costuma veicular nas redes.

Em Miami, reduto dos inimigos de Fidel, uma verdadeira festa. Isso nos faz lembrar aquelas massas que invadiram as ruas pedindo o impeachment de Dilma, enquanto espumavam de ódio. É o mesmo espírito: são cubanos não cubanos e brasileiros que renegam o Brasil. Para esta gente o que interessa é o “primeiro mundo”, o neoliberalismo, o conservadorismo e o arrocho econômico para privilegiar a poucos.

A palavra ditador vem de um jornal que apoiou a ditadura militar no Brasil; vem de um jornal que fornecia seus carros para servir aos torturadores regime de 1964; vem de um jornal que jamais chamou os generais brasileiros de ditadores, ainda que eles tenham assassinado, torturado, cerceado os direitos civis.

É próprio da nossa imprensa manter uma retórica que sempre corrobore a opinião da elite ou daqueles que se colocam acima do povo.

7 Comentários

Clique aqui para escrever um comentário

  • A gente nem percebe o quanto é influenciado pelo que sai nos órgãos de comunicação de massa. Uma saínha curta, um pensamento chinfrim de que lá tem liberdade, e só lá tem, e pronto, já fomos fisgados pela política estadunidense de ser. O resto fica por conta das Globos que mentem aos monte, mas ela mente mais. Agora tivemos um golpe de estado, nem precisou da baía dos porcos.

  • Sabe por que que ele é execrado por aqui? Porque nunca ser curvou aos EUA, nem disse que viria salvar o mundo. Se toca gente. Sabemos pouco, muito pouco mesmo, sobre Cuba. Vi ontem a entrevista de Fidel ao progama Roda Viva. Prestem atenção nela. Ali tem um sujeito melhor do que o presidente que o Brasil tem hoje. Melhor do que Moro, um ditador em potencial. Como a gente pode trocar tanto as bolas? Precisamos conhecer Cuba, e isto pode demorar um pouco, mas conhecemos aspectos da vida brasileira que deixam bem claro que Médici foi um ditador e que tivemos nosso paredon. Nós estivemos nas mãos do imperialismo, o nome é este mesmo, estadunidense ao ponto de nem percebermos o quanto pensamos como um americano do norte. Nunca houve uma Cuba do Norte e uma Cuba do Sul. Fidel não deixou. Mas há um apartheid cultural no Brasil, uns pensam como brasileiros do Norte e outros do Sul. Aqui houve invasão.

  • Ele chegou ao poder pelas armas, e nunca tentou uma eleição, fuzilou quem não abaixou a cabeça para ele, prendeu os opositores aos regime. isso faz dele o quê? que ele já bem recebido por Lúcifer!!!

  • Eu ouvi dizer, que em Cuba, os cubanos, usam a folha para limpar o RABO, então o jornalão A FALHA, pode chamar O GRANDE FIDEL, do que eles quiserem, isso vai estar mudando o MUNDO. Os IDIÓTAS SERÃO SEMPRE IDIÓTAS. Em tempo FORA TEMER. GOLPISTA USURPADOR.

    • Que loucura essa matéria! Quem que não sabe que Fidel foi um ditador que matou milhares de pessoas? Que mundo vocês vivem? É que nem falar que Hitler foi um grande líder alemão! Hoje com a internet não precisamos mais obter conhecimento através de professores de esquerda socialistas, mas de qualquer livro. E corrija: nenhum veículo internacional se refere a isolada pobre Cuba como um “líder”. Vocês precisam se tratar de esquizofrenia, pois parecem aquele louco do Iran negando holocausto.